Central estadual de regulação de leitos muda sede e dobra capacidade de atendimento

O serviço, que até então mantinha instalações no bairro da Boa Vista, área central do Recife, passará a funcionar nos auditórios do Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda

Nova sede da Central de Regulação de Leitos de PernambucoNova sede da Central de Regulação de Leitos de Pernambuco - Foto: Hélia Scheppa/SEI

Com o objetivo de ampliar, facilitar e agilizar o encaminhamento dos pacientes com suspeitas e confirmação do novo coronavírus para as unidades de saúde vinculadas ao Sistema Único de Saúde (SUS), a Central de Regulação de Leitos de Pernambuco começa a funcionar em um novo espaço, a partir desta quinta-feira (23).

O serviço, que até então mantinha instalações no bairro da Boa Vista, área central do Recife, passará a funcionar nos auditórios do Centro de Convenções de Pernambuco (Cecon-PE), em Olinda, na Região Metropolitana da capital, com o dobro de profissionais trabalhando.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), nos últimos 30 dias a Central de Regulação de Leitos registrou um aumento de 316% nas solicitações de internamento em todo o Estado.

“Com o aumento da demanda, causado pela pandemia do novo coronavírus, precisávamos dar mais condições de trabalho aos profissionais da regulação para que fizessem seu trabalho de maneira rápida, coordenada e segura. Por isso, estamos dobrando a capacidade de atendimento da Central”, afirmou o governador Paulo Câmara, lembrando que em menos de 40 dias o Governo do Estado entregou à população 319 novos leitos de UTI, que serão administrados pela Central de Regulação.

Leia também:
Pernambuco ainda não chegou ao colapso nos leitos de UTI
Pernambuco perto de 100% de ocupação dos leitos de UTI para Covid-19
Pernambuco busca contratualização de leitos privados para Covid-19

De acordo com o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, o Estado saiu de 146 para 361 requerimentos de novos leitos de UTI, e a projeção é de que nesta semana a demanda seja ainda mais intensa, com cerca de 460 solicitações.

Para atender a demanda, ainda segundo o secretário, além da mudança do espaço físico da Central de Regulação, também foram contratados através de seleção pública simplificada 141 novos profissionais, sendo 64 enfermeiras, 63 médicos e 14 teleatendentes, que começam a trabalhar a partir desta semana. Com o reforço, a Central totaliza uma equipe de 230 profissionais.

“Tudo isso foi feito no intuito de acelerar a assistência aos doentes e dar uma resposta rápida à situação", afirmou André Longo.

A Central de Regulação de Leitos, que é acessada pelos médicos por meio de sistema online ou por ligação telefônica, recebe demandas de todas as unidades de saúde do Estado que lidam com casos de urgência/emergência, UTI e obstetrícia, sejam elas estaduais, municipais, federais ou particulares que prestam serviço ao SUS, com a função de avaliar os casos encaminhados e, a partir daí, indicar o serviço mais adequado ao perfil clínico do paciente.

"Essa ampliação reforça o atendimento aos pacientes suspeitos e confirmados da Covid-19, ao mesmo tempo em que também beneficia toda a rede estadual, já que a Central dá continuidade ao atendimento em todas as linhas de cuidado", pontou o secretário-executivo de Regulação da SES-PE, Giliate Coelho Neto.

LEITOS
De acordo com os dados da Central Regulação de Leitos de Pernambuco, a rede estadual atingiu, nessa terça-feira (21), a marca de 646 leitos abertos para assistência aos pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), suspeitos e confirmados para a Covid-19. Os leitos registram uma ocupação média de 89% e estão divididos em 319 de UTI (99% de ocupação) e 327 de enfermaria (80% de ocupação).

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Operação prende quatro membros de quadrilha no Sertão; Polícia apreendeu espingardas e explosivos
Pernambuco

Operação prende quatro membros de quadrilha no Sertão; Polícia apreendeu espingardas e explosivos

População de Portugal encolheu 2% em 10 anos, mostra censo
Portugal

População de Portugal encolheu 2% em 10 anos, mostra censo