Internacional

Central ucraniana de Chernobyl volta a ficar sem energia elétrica

Ucrânia acusa o exército russo de ter cortado mais uma vez a eletricidade na central nuclear de Chernobyl

Usina Nuclear em ChernobylUsina Nuclear em Chernobyl - Foto: Sergei Supinsky / AFP

A Ucrânia acusou o exército russo, nesta segunda-feira (14), de ter cortado mais uma vez a eletricidade na central nuclear de Chernobyl, localizada ao norte de Kiev e cenário do pior desastre nuclear do mundo em 1986 e que agora está sob controle russo.

As autoridades ucranianas afirmaram no domingo que haviam restabelecido o fornecimento de energia elétrica da central, que ainda precisa de energia para garantir a segurança dos elementos combustíveis armazenados.

"Mas antes do restabelecimento completo da energia, as forças de ocupação danificaram a linha que alimenta a central nuclear de Chernobyl", anunciou o operador ucraniano das instalações, o Ukrenergo, no Facebook.

O grupo Ukrenergo afirma que seus técnicos repararam uma linha de alta tensão que abastecia Chernobyl e a cidade de Slavutych. Mas esta linha voltou a sofrer danos e mais funcionários terão que retornar ao local para novos reparos.

"Um abastecimento de energia elétrica estável evitará a repetição da catástrofe de Chernobyl", afirmou Ukrenergo.

À noite, a Agência Internacional de Energia Atômica (OIEA) informou no Twitter que as autoridades ucranianas lhes informaram que "a alimentação elétrica externa" foi "restabelecida hoje depois que a linha voltou a ser danificada pelas forças de ocupação".

"O pessoal retomou as operações para reconectar a central à rede elétrica", acrescentou a AIEA.

A Rússia não reagiu à acusação até agora.

O reator número 4 da central de Chernobyl explodiu em 1986, provocando o pior desastre nuclear civil da história. O local está coberto por um sarcófago duplo, um construído pelos soviéticos, atualmente danificado, e outro, mais moderno, inaugurado em 2019.

Os outros três reatores da usina foram desligados gradualmente após a catástrofe, o último em 2000.

No entanto, ainda é necessário um sistema de energia elétrica para resfriar os 20.000 elementos combustíveis armazenados na piscina.

Dado o tempo decorrido desde o acidente de 1986, "a carga térmica da piscina e o volume de água de resfriamento são suficientes para garantir a remoção efetiva do calor sem eletricidade", estimou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em 9 de março.

Por outro lado, a agência nuclear ucraniana Energoatom também acusou os militares russos nesta segunda-feira de detonar munição perto de um reator da usina nuclear de Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia, bombardeada em 4 de março e ocupada desde então pelos russos.

Durante as explosões, "os funcionários tiveram que deixar seus locais de trabalho", escreveu a Energoatom no Telegram.

A agência não ofereceu informações sobre o nível de radioatividade no local após as explosões.

A Energoatom afirmou que 11 representantes da agência nuclear russa Rosatom estão atualmente no local e "participando" desses eventos.

"A agência russa está violando todas as normas e exigências da segurança nuclear internacional", acusou a Energoatom, que pediu à AIEA que aja para evitar "uma catástrofe que a Rússia está preparando para todo o planeta".

Veja também

Sisu 2022.2: inscrições para as vagas do segundo semestre encerram hoje (01)
Educa Mais

Sisu 2022.2: inscrições para as vagas do segundo semestre encerram hoje (01)

Secretaria da Mulher lança projeto Jornada dos Núcleos de Estudos de Gênero em escolas do Estado
Educação

Secretaria da Mulher lança projeto Jornada dos Núcleos de Estudos de Gênero em escolas do Estado