Centro de ajuda atenderá mulheres vítimas de violência durante a folia

Mulheres violentadas poderão contar com o centro Wilma Lessa que vai funcionar em plantão de 24h profissionais da psicologia, enfermagem, medicina e serviço social

Violência contra a mulherViolência contra a mulher - Foto: Arquivo/Folha

Uma triste realidade do Carnaval é a violência, especialmente contra as mulheres, vítimas daquela passada de mão, puxões no braço e no cabelo e até mesmo beijos forçados e estupro. Para as vítimas dessa violência, o Serviço de Apoio à Mulher - Wilma Lessa, localizado no Hospital Agamenon Magalhães, no bairro de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife, funcionará em plantão de 24h durante toda a festa.

No Wilma Lessa, o atendimento é exclusivo para mulheres vítimas de violência, seja física, psicológica, sexual ou doméstica. Lá, elas contam com profissionais da psicologia, medicina, enfermagem e serviço social que atendem em suas respectivas áreas, além de oferecerem carona até a Delegacia da Mulher para efetuar a denúncia contra o agressor. Para informações sobre o atendimento e orientações de como proceder após sofrer violência, o centro atende nos telefones (81) 3184-1739 e 3184-1740.

Leia também:
Campanha usa aplicativo de celular para denunciar assédio no Carnaval

O centro também oferece gratuitamente tratamentos para prevenir a gravidez e doenças sexualmente transmissíveis. Embora remédios como a pílula do dia seguinte possam ser adquiridos na farmácia e automedicados, é indicada a busca por ajuda profissional para que seja realizado o devido acompanhamento.

Segundo a coordenadora do centro, Mayara Mendes, foram realizados somente oito atendimentos durante o Carnaval passado. Ela explicou que o movimento cresce somente após a festa, na maioria das vezes, casos para interrupção da gravidez.

Veja também

Julho Amarelo: mês de conscientização das hepatites virais
Saúde e Bem-estar

Julho: mês de conscientização das hepatites virais

Terceiro policial envolvido na morte de Floyd paga fiança de US$ 3,9 milhões e deixa prisão
Crime

Terceiro policial envolvido na morte de Floyd paga fiança de US$ 3,9 milhões e deixa prisão