Espanha

Chefe de governo espanhol cogita renunciar devido a investigação sobre sua esposa

No poder desde 2018, o premiê informou que se apresentará "perante os meios de comunicação [...] na próxima segunda, 29 de abril" para anunciar sua decisão

Pedro Sánchez, presidente do governo espanholPedro Sánchez, presidente do governo espanhol - Foto: Pierre-Philippe Marcou/AFP

O presidente do Governo espanhol, o socialista Pedro Sánchez, surpreendeu, nesta quarta-feira (24), ao anunciar que avalia sua renúncia e que informará sua decisão na segunda-feira, devido a uma investigação judicial contra sua esposa por suspeita de "corrupção".

"Preciso parar e refletir" sobre "se devo continuar à frente do governo ou renunciar a esta grande honra", ressaltou Sánchez em carta aberta, publicada na plataforma X.

No poder desde 2018, o premiê informou que se apresentará "perante os meios de comunicação [...] na próxima segunda, 29 de abril" para anunciar sua decisão, e cancelou sua agenda pública até então.

Um tribunal de Madri abriu uma investigação preliminar sobre a esposa do presidente do Governo, Begoña Gómez, por suspeitas de tráfico de influência e corrupção.

Em um breve comunicado, o Tribunal Superior de Justiça de Madri (TSJM) anunciou que uma corte municipal abriu uma "investigação pela suposta prática dos crimes de tráfico de influência e corrupção empresarial contra Begoña Gómez".

O TSJM indicou que a investigação foi aberta em 16 de abril após uma denúncia do coletivo Mãos Limpas, vinculado à extrema direita, e que o processo é "secreto".

Questionado no Congresso dos Deputados sobre a investigação, Sánchez, de 52 anos, respondeu que confia na Justiça.

"Em um dia como hoje, e depois das notícias que tive, apesar de tudo, continuo acreditando na Justiça do meu país", disse o líder socialista.

Reeleito pelo Congresso em novembro, Sánchez defendeu a inocência da esposa e afirmou que a denúncia se insere em uma "estratégia de assédio e demolição" contra ele de "meios de clara orientação direitista e ultradireitista", apoiada por partidos de direita e extrema direita.

"Não sou ingênuo. Sou consciente de que denunciam Begoña não porque tenha feito algo ilegal [...], mas por ser minha esposa", escreveu Sánchez.

Plano de resgate da Air Europa 
A decisão do tribunal foi anunciada poucas horas depois de o veículo digital "El Confidencial" ter publicado uma notícia afirmando que os investigadores estavam examinando os vínculos de Gómez com diversas empresas privadas que acabaram recebendo fundos e contratos públicos do governo.

Na ocasião, Gómez chefiava o IE Africa Center, uma fundação vinculada com a escola de negócios Instituto de Empresa (IE), cargo que deixou em 2022.

Segundo o veículo "El Confidencial", o IE Africa Center assinou em 2020 um acordo de patrocínio com a Globalia e que a esposa do chefe de Governo "se reuniu em caráter privado com o conselheiro delegado da 'holding' turística, Javier Hidalgo, nos próprios escritórios da companhia".

Em novembro de 2020, o governo Sánchez ofereceu uma linha de crédito de 475 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões, na cotação atual) para a Air Europa, surgida de um fundo de 10 bilhões de euros (R$ 55 bilhões), destinados a apoiar empresas estratégicas em dificuldades pela pandemia.

A empresa espanhola foi a primeira de muitas outras que se beneficiaram deste fundo.

'Práticas trumpistas' 
Após a publicação da carta, o Partido Popular (PP, direita), o principal da oposição, pediu a Sánchez para "aparecer já para dar uma explicação razoável aos escândalos que cercam seu partido, seu Governo e sua companheira", ao invés de "desaparecer" até a segunda-feira.

O dirigente aposta "na vitimização e na pena ao invés da prestação de contas e da clareza", ressaltou o PP em uma mensagem no X, dando a entender que sua ameaça poderia ser uma mera estratégia política.

Pessoas do entorno de Sánchez saíram em sua defesa, como a número três do Governo, Teresa Ribera, que escreveu no X: "Temos um presidente de primeira. Nem ele, nem sua família merecem isso."

Horas antes, a número dois do Governo, María Jesús Montero, havia qualificado a denúncia contra a esposa de Sánchez de "práticas trumpistas".

O PP utiliza "uma denúncia falsa de uma organização ultradireitista para difamar e injuriar a Presidência do Governo", informou.

O Mãos Limpas, fundado em 1995, esteve por trás de várias ações nos últimos anos e atuou como parte civil em muitos casos de corrupção.

É considerado próximo da extrema direita, entre outras coisas pela personalidade de seu fundador, Miguel Bernad, ex-dirigente do partido Frente Nacional, dissolvido em 1993.

Acusado de participar de uma rede de extorsão, Bernad foi condenado a quatro anos de prisão em julho de 2021, mas acabou sendo absolvido em apelação por falta de provas.

Veja também

Aiatolá Khamenei anuncia cinco dias de luto no Irã pela morte do presidente Raisi
MUNDO

Aiatolá Khamenei anuncia cinco dias de luto no Irã pela morte do presidente Raisi

Líderes globais reagem à morte do presidente do Irã, após acidente de helicóptero
MUNDO

Líderes globais reagem à morte do presidente do Irã, após acidente de helicóptero

Newsletter