Surto de Covid

China decreta confinamento em grandes cidades e fecha fábricas por surto de Covid-19

A Foxconn, principal fornecedora da Apple, informou a suspensão das operações em Shenzhen por conta do confinamento

Esta foto de arquivo tirada em 26 de setembro de 2021 mostra um homem e um menino entrando em um centro de coleta de amostras de ácido nucleico para o coronavírus Covid-19 em Shenzhen, sudeste da ChinaEsta foto de arquivo tirada em 26 de setembro de 2021 mostra um homem e um menino entrando em um centro de coleta de amostras de ácido nucleico para o coronavírus Covid-19 em Shenzhen, sudeste da China - Foto: Noel Celis / AFP

Os 17 milhões de moradores da cidade de Shenzhen, sul da China, estavam em confinamento nesta segunda-feira (14) por um surto de Covid-19 que forçou a suspensão das atividades em uma fábrica de iPhone e motivou a imposição de restrições em outras grandes metrópoles, como Xangai.

As autoridades de Shenzhen anunciaram o novo confinamento no domingo (13), após a detecção na cidade de focos da doença relacionados com a vizinha Hong Kong, onde o vírus provoca muitos danos.

Nesta segunda-feira, a gigante taiwanesa do setor eletrônico Foxconn, principal fornecedora da Apple, informou a suspensão das operações em Shenzhen, porque o confinamento afeta o funcionamento de suas fábricas.

A Foxconn, que emprega dezenas de milhares de pessoas na cidade, disse que transferiu a produção para outros centros.

Shenzhen é uma das dez cidades da China que estão em confinamento atualmente, assim como Dalian, Nanjing e Tianjin, perto de Pequim.

As autoridades contabiliaram nesta segunda-feira 2.300 novos casos em todo país. No domingo, foram notificados quase 3.400, o maior número desde o início da pandemia.

Embora o número de casos permaneça baixo em comparação com outros países, o balanço dos últimos dias é considerável no contexto da China, onde as autoridades aplicam desde 2020 uma política de tolerância zero com a pandemia

Nos últimos dias, ao menos 26 funcionários de três províncias foram demitidos por má gestão durante a epidemia, informou a imprensa estatal.

Um funcionário do departamento de saúde, Lei Zhenglong, disse à emissora estatal CCTV que mais de 10 mil infecções foram registradas em 10 províncias em março e alertou que a situação "continua evoluindo" em muitos lugares.

Em Shenzhen, "registramos pequenos focos em bairros e fábricas", relatou Huang Qiang, funcionário do governo local, antes de sugerir a necessidade de "mais precauções".  

"Esperar"

As fotos compartilhadas com a AFP por um morador de Shenzhen mostram a entrada de um complexo residencial bloqueada por grandes barreiras.

As ações das empresas de tecnologia registraram queda na Bolsa de Hong Kong nesta segunda-feira, consequência da preocupação com o impacto da propagação do vírus em Shenzhen, sede dos grupos Huawei e Tencent, assim como da maior fábrica da Foxconn.

Em Xangai, a metrópole com maior população da China, zonas residenciais foram confinadas, e as autoridades trabalham para evitar um confinamento geral.

A cidade informou hoje 170 novos casos de covid. 

Um empresário que é dono de quatro restaurantes afirmou que é difícil enfrentar as restrições. 

"As políticas são diferentes nos bairros", declarou à AFP, sob anonimato. "Quero fechar um e manter os outros abertos, e ver o que acontece depois. O que mais posso fazer além de esperar?", resignou-se.

Na província de Jilin (nordeste), ao menos cinco cidades estão em confinamento desde o início de março, entre elas o grande centro industrial de Changchun, onde nove milhões de habitantes estão bloqueados em suas casas desde sexta-feira. 

Nesta segunda-feira, o grupo alemão Volkswagen anunciou que devido a um surto de covid-19 suspendeu a produção em três fábricas de Changchun até quarta-feira, incluindo duas fábricas das marcas VW e Audi, assim como um centro de produção de autopeças. 

As três fábricas são operadas em conjunto com o grupo chinês FAW.

O surgimento da variante ômicron põe sua abordagem drástica em xeque, porém, no momento em que a maior parte do planeta opta por conviver com o vírus. 

O virologista Zhang Wenhong defendeu, nesta segunda-feira, que a China ainda não pode flexibilizar a política de "covid zero", apesar da baixa taxa de mortalidade da ômicron.

"É muito importante que a China continue adotando a estratégia de covid zero em um futuro próximo", escreveu Zhang nas redes sociais. "Mas isto não significa que vamos adotar permanentemente a estratégia de confinamento e de testes em larga escala", completou. 

Veja também

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação
Télam

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação

Moda da Hermès desafía todos os elementos
Moda

Moda da Hermès desafía todos os elementos