China descarta qualquer possibilidade de secessão de Taiwan

'Temos uma determinação inabalável, uma confiança total e todas as capacidades para defender a soberania nacional e a integridade territorial', advertiu o porta-voz do Escritório de Assuntos de Taiwan

Coronavírus na ChinaCoronavírus na China - Foto: GREG BAKER / AFP

A China "não vai tolerar nunca" a secessão de Taiwan - disse uma autoridade do governo chinês à agência de notícias estatal Xinhua, em resposta às declarações da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, que pertence a um partido separatista e é criticada pelas autoridades comunistas.

"Temos uma determinação inabalável, uma confiança total e todas as capacidades para defender a soberania nacional e a integridade territorial", advertiu o porta-voz do Escritório de Assuntos de Taiwan, Ma Xiaoguang, de acordo com declarações divulgadas pela agência de notícias Xinhua.

Pequim "nunca tolerará atividades separatistas", frisou o porta-voz. O governo chinês também reagiu à mensagem de felicitações enviada pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo, à presidente de Taiwan, considerando-a "extremamente errada e muito perigosa".

Leia também:
Pequim reitera oposição à independência de Taiwan após vitória de Tsai
Coronavírus acirra a Guerra Fria 2.0 entre China e Estados Unidos
Trump acusa a OMS de ser 'uma marionete da China'


"O gesto dos Estados Unidos interfere seriamente nos assuntos internos da China e afeta a paz e a estabilidade" em Taiwan, afirmou o Ministério chinês da Defesa em um comunicado.

Pompeo enviou a Tsai uma mensagem, parabenizando-a por sua "coragem e visão em liderar a vibrante democracia de Taiwan".

- Modelo 'sem futuro'
Em seu discurso de posse para seu segundo mandato presidencial, Tsai disse nesta quarta-feira (20) que a China deve encontrar uma maneira de "coexistir" com uma Taiwan democrática que não aceitará o domínio das autoridades comunistas.

A líder renovou sua oferta de negociações com a China e pediu ao presidente Xi Jinping que trabalhem juntos para reduzir as tensões. "É dever de ambas as partes encontrar uma maneira de coexistir no longo prazo e evitar intensidades de antagonismo e diferenças", acrescentou.

Tsai foi reeleita de maneira contundente em janeiro, apesar dos esforços de Pequim para isolar Taiwan e minar sua economia desde que a líder chegou ao poder em 2016. Desde então, a China rejeita ofertas de negociação e aumentou a pressão econômica, militar e diplomática sobre a ilha.

O governo chinês considera Taiwan como parte de seu território e prometeu retomar a ilha à força, se necessário. Pequim defende a ideia de "um país, dois sistemas" para Taiwan, como acontece com Hong Kong. Assim, a ilha manteria suas liberdades, mas estaria sob o controle de Pequim.

Em seu discurso, Tsai rejeitou categoricamente esse sistema, um modelo que, segundo ela, não tem futuro. "Não aceitaremos o uso pelas autoridades de Pequim do modelo de 'um país, dois sistemas' para degradar Taiwan e minar a situação no Estreito [de Taiwan]", afirmou Tsai, acrescentando que "permanecemos firmes nesse princípio".

Taiwan foi governada em separado da parte continental desde 1949, depois que os nacionalistas perderam uma guerra civil contra os comunistas e fugiram da ilha para estabelecer um governo rival.

Politicamente separada da China há 70 anos, a ilha tem sua própria moeda, bandeira, exército, diplomacia e governo. Apenas um número cada vez menor de países reconhece Taiwan como uma nação independente.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Troca de placas interdita faixas nas Mascarenhas por 45 dias
Recuperação

Troca de placas interdita faixas nas Mascarenhas por 45 dias

Chuvas de meteoros podem ser avistadas nas próximas madrugadas
ESPETÁCULO

Chuvas de meteoros podem ser avistadas nas próximas madrugadas