SATÉLITE

China e França lançam satélite para entender melhor o universo

Satélite pretende pesquisar as explosões de raios gama, autênticos fósseis luminosos que poderiam conter mais informações sobre a história do universo

Monitor de Objetos Variáveis Espaciais (SVOM), decola de uma base espacial em Xichang, na província de Sichuan, no sudoeste da ChinaMonitor de Objetos Variáveis Espaciais (SVOM), decola de uma base espacial em Xichang, na província de Sichuan, no sudoeste da China - Foto: Adek Berry/AFP

Um satélite, construído pela França e pela China, foi lançado neste sábado (21) com o objetivo de detectar explosões colossais no universo, um exemplo de cooperação entre o país asiático e uma potência ocidental.

Desenvolvida por engenheiros dos dois países, a missão, conhecida como "Svom" ('Space Variable Objects Monitor', Monitor de Objetos Variáveis Espaciais), pretende pesquisar as explosões de raios gama, autênticos fósseis luminosos que poderiam conter mais informações sobre a história do universo.

O satélite de 930 quilos, que inclui quatro instrumentos (dois chineses e dois franceses), foi lançado às 15h00 deste sábado (4H00 de Brasília) a bordo de um foguete chinês Longa Marcha 2-C da base espacial de Xichang, na província de Sichuan, sudoeste do país.

As explosões de raios gama geralmente acontecem após a explosão de estrelas massivas (que têm mais de 20 vezes a massa do Sol) ou da fusão de estrelas compactas.

Estes clarões, resultado das explosões mais potentes do universo, geram uma luminosidade colossal que pode emitir uma energia equivalente a mais de um trilhão de sóis.

Observar estes fenômenos cósmicos "é um pouco como voltar no tempo, já que sua luz demora muito tempo para chegar à Terra, bilhões de anos no caso das mais afastadas", explicou Frédéric Daigne, do Instituto de Astrofísica de Paris e um dos principais especialistas em explosões de raios gama.

Ao viajar pelo espaço, esta luz também atravessa diferentes gases e galáxias, transportando rastros que incluem informações excepcionais sobre a história e a evolução do universo.

"São explosões cósmicas muito extremas que nos permitem compreender de melhor maneira a morte de algumas estrelas", acrescentou Daigne.

Corrida contra o tempo
A explosão de raios gama mais distante identificada até hoje aconteceu apenas 630 milhões de anos após o Big Bang, ou seja, 5% da idade atual do Universo.

As informações também podem ajudar a compreender a composição do espaço, a dinâmica dos gases e as outras galáxias.

O satélite, colocado na órbita terrestre a 625 km de altitude, enviará as informações aos observatórios na Terra. A extrema brevidade das explosões de raios gama obrigará os cientistas a reagir muito rapidamente para coletar as informações.

Quando o Svom identificar uma, enviará um alerta e, em menos de cinco minutos, os cientistas ativarão uma rede de telescópios que serão alinhados precisamente no eixo da origem da explosão para obter mais dados.

O projeto é resultado de uma colaboração entre as agências espaciais da França (CNES) e da China (CNSA), que também conta com a participação de outras organizações científicas e técnicas dos dois países.

Cooperações como esta entre a China e o Ocidente não são muito frequentes neste nível, em particular desde que o governo dos Estados Unidos proibiu, em 2011, a Nasa de qualquer cooperação com Pequim no setor espacial.

China e França já lançaram em parceria, em 2018, um satélite oceanográfico utilizado para a meteorologia marinha. E vários países europeus também participam no programa chinês de exploração lunar Chang'e.

Veja também

Meninas de 8 e 6 anos morrem de Chikungunya e dengue em Pernambuco
ARBOVIROSES

Meninas de 8 e 6 anos morrem de Chikungunya e dengue em Pernambuco

Formato das unhas pode dizer muito sobre sua saúde; entenda
ciÊncia

Formato das unhas pode dizer muito sobre sua saúde; entenda

Newsletter