Christiana Cruz ensina como identificar traços de TDAH nas crianças

Hoje, os diagnósticos estão sendo feitos mais precocemente a partir dos 04 anos e existe o cuidado de não se confundir a sintomatologia com comportamentos típicos do desenvolvimento ou sob influência de questões educacionais

Christiana Cruz, do Colégio Madre de DeusChristiana Cruz, do Colégio Madre de Deus - Foto: Divulgação

Christiana Figueiredo Cruz, diretora Pedagógica do Colégio Madre de Deus, é a convidada desta quarta-feira (27) da coluna Sucesso, uma parceria do Portal FolhaPE com o Sucesso.site, de Felipe, Eduarda e Camila Haeckel.

O TDAH, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, é um transtorno multifatorial de origem neurobiológica e ambiental e é o distúrbio neurológico do comportamento mais comum nas crianças. Caracteriza-se por um padrão persistente de desatenção, hiperatividade, impulsividade que causa prejuízos no âmbito familiar, escolar e social.            
Segundo o DSM –V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), esse distúrbio comportamental se apresenta em três formas:

Com predomínio da hiperatividade;

Com predomínio da desatenção;

E combinado, agregando a hiperatividade e a desatenção.

Abaixo, temos alguns critérios para o diagnóstico de crianças e adolescentes que apresentam 06 ou mais sintomas listados pelo DSM-V.

Falta de atenção;

Parecer não ouvir o que se diz;

Dificuldade de seguir instruções;

Dificuldade em manter a atenção por muito tempo;

Perder e esquecer as coisas;

Dificuldade em se organizar;

Comportamento sempre agitado;

Não conseguir ficar sentado por muito tempo;

Correr em demasia;

Dificuldade de se envolver em brincadeiras prolongadas;

Dificuldade de manejar o próprio corpo.
           
As crianças são descritas como inquietas, agitadas, desatentas, parecendo estar no mundo da lua. Os relacionamentos são prejudicados, pois tornam-se impacientes, impulsivas e sem manejo social.

A vida escolar delas também é afetada pela falta de atenção e regulação no comportamento, pois apresentam dificuldade em concluir as tarefas, perdem os materiais, esquecem e se desorganizam facilmente.

Um dos fatores mais evidentes é a falta de controle inibitório do comportamento, que se reflete na inabilidade de controle do corpo, do comportamento e das relações.

O transtorno se manifesta desde a infância. Hoje, os diagnósticos estão sendo feitos mais precocemente a partir dos 04 anos e existe o cuidado de não se confundir a sintomatologia com comportamentos típicos do desenvolvimento ou sob influência de questões educacionais.

Uma educação com limites claros, organização e disciplina pode minimizar os sintomas. A intensidade dos sintomas tem relação direta com as experiências pessoais e o estilo de vida. Se um portador de TDAH conseguir criar rotinas e desenvolver hábitos, isso o irá ajudar na intensidade de sintomas.

Porém, é fundamental o diagnóstico e o acompanhamento de um profissional NEUROPEDIATRA, além disso, o acompanhamento de uma equipe multiprofissional.

Dentro do espaço escolar, o olhar e o trabalho precisa ser individualizado. Algumas vezes o currículo precisa ser adaptado às necessidades específicas e a escola precisa ter também atenção especial para as questões comportamentais e relacionais.

Seguem mais algumas sugestões da literatura que podem contribuir para o conhecimento sobre o TDAH:

Christiana Figueiredo Cruz é Diretora Pedagógica do Colégio Madre de Deus. Graduada em Pedagogia (UFPE) e pós-graduada em Psicopedagogia (UNICAP) e em Modificabilidade Cognitiva Estrutural (PEI). Mestranda pela Universidade Fernando Pessoa (Portugal) em Docência e Gestão.

* A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Neste feriado, Hemato faz convite para abastecer seus estoques de sangue
Doação de sangue

Neste feriado, Hemato faz convite para abastecer seus estoques de sangue

Rodovias de Pernambuco recebem reforço na fiscalização durante o feriadão de Finados
feriadão de Finados

Rodovias de Pernambuco recebem reforço na fiscalização