Diz Apac

Chuva na RMR deve ficar menor pela manhã e se concentrar à tarde e à noite nesta terça-feira (24)

Tanto a agência pernambucana quanto o Inmet alertam para ocorrência de precipitações moderadas a fortes.

Chuva no RecifeChuva no Recife - Foto: Alexandre Aroeira/Folha de Pernambuco

Diz o ditado que “depois da tempestade, vem a bonança”, mas ainda não é nesta terça-feira (24) que o sol forte, tão habitual por aqui, volta a dar as caras na Região Metropolitana do Recife (RMR) e nas Zonas da Mata Norte e Sul de Penrambuco. Pelo menos, é o que dizem tanto a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) quanto o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Ambos os órgãos alertam para a ocorrência de chuva moderada a forte ao longo desta terça, o que pode provocar novos pontos de alagamento e ampliar o risco de deslizamentos de terra. A “boa” notícia é que a maré deverá baixar entre a tarde e a noite, nos horários em que as precipitações prometem ser mais volumosas.

Ainda na segunda-feira (23), a Apac renovou, para toda a madrugada, com estado de atenção, o aviso que havia publicado no último domingo, informando a possibilidade de chuva mais intensa na RMR e nas Matas Norte e Sul.

Segundo o meteorologista da instituição Fabiano Prestrelo, as precipitações devem se concentrar nos turnos da tarde e da noite. “Existe uma tendência de que o período da manhã seja mais tranquilo”, conta. Já o Inmet emitiu um alerta com grau de “perigo” em toda a faixa litorânea de Pernambuco e Paraíba e na parte leste do litoral do Rio Grande do Norte.

Tábua de maré
Se há um aspecto que pode atenuar esse cenário nas próximas horas, pelo menos durante o dia, está no nível da maré, que, nas áreas mais planas do Recife, ao coincidir com a chuva forte na alta, aumenta o volume de água nas ruas e agrava os danos provocados pelos alagamentos.

De acordo com a Marinha, após reduzir durante a madrugada, a maré deve subir a partir das 5h47 até as 11h51, chegando a 2 metros. Depois disso, volta a baixar até atingir 0,5 metro, às 18h26. À 0h28 da quarta-feira, retorna ao pico, desta vez de 1,9 metro de altura.

Chuvas mal distribuídas
Nesta segunda, segundo a Apac, a cidade onde mais choveu ao longo do dia foi Paulista, no Grande Recife, onde o acumulado foi de 66 mm. Em seguida, veio Olinda, com 64 mm, e Recife, com 60. Além disso, em São Lourenço da Mata, não caiu tanta chuva (29 mm), mas houve rajadas de vento de 75 km/h.

A concentração de tanta água em pouco tempo faz parte do histórico da região. Para se ter uma ideia, em Agrestina, no Agreste, choveu o equivalente a 97 mm em apenas uma hora no fim de semana.

“As chuvas no Nordeste são mal distribuídas. Isso significa que podem passar alguns dias sem chuva e, de repente, acontece uma chuva forte. E em Pernambuco, em geral, dois ou três eventos de chuva são responsáveis pela média do mês”, afirma Fabiano Prestrelo.

Massa polar
Outro fenômeno que explica esse esfriamento repentino, além da própria chegada do inverno, é a circulação da massa polar, vinda da Antártica, que tem atingido o Sul e o Sudeste do País.

“Ela tem uma influência, mas muito reduzida em comparação aos efeitos que está causando lá. Aqui a gente percebeu uma pequena diminuição na temperatura, de 31 ºC para 28 ºC, a máxima. Isso influenciou também nas chuvas”, diz Prestrelo.

Veja também

Golpe da portabilidade do salário: nova fraude faz pagamento 'sumir' da conta das vítimas; entenda
Roubo de dados

Golpe da portabilidade do salário: nova fraude faz pagamento 'sumir' da conta das vítimas; entenda

Em cinco dias, choveu acima da média para julho em 45 municípios de Pernambuco
Dados da Apac

Em cinco dias, choveu acima da média para julho em 45 municípios de Pernambuco