Chuvas matam 4, derrubam casas e colocam Rio em alerta

Os estragos ocorreram no dia em que a capital fluminense comemorava seus 455 anos e concluía a programação oficial do Carnaval

Chuvas colocam Rio de Janeiro em alertaChuvas colocam Rio de Janeiro em alerta - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Quatro pessoas morreram na madrugada deste domingo (1º) na região metropolitana do Rio de Janeiro durante as fortes chuvas que atingiram a área desde sábado (29) à noite. A capital, onde houve três mortes, está em estágio de alerta. A outra morte ocorreu em Mesquita.

Os estragos ocorreram no dia em que a capital comemorava seus 455 anos e concluía a programação oficial do Carnaval. Um homem ainda não identificado foi retirado morto dos escombros de um imóvel que desabou na favela Bateau Mouche, na zona oeste, em razão de um deslizamento de terra.

Por volta das 6h, uma mulher foi encontrada morta numa rua na Taquara. A informação inicial é de que ela foi eletrocutada em razão das chuvas, mas o Corpo de Bombeiros não confirma que a morte foi em razão dos alagamentos.

Leia também:
Marinha descarta risco imediato de naufrágio de navio contratado pela Vale
Sobe para 6 o número de mortos no naufrágio no Amapá


A chuva também chegou a interromper a circulação de ônibus articulados no BRT Transcarioca, que liga a Barra ao Aeroporto Internacional do Galeão. Os veículos já voltaram a trafegar na via, com intervalos irregulares.

O BRT Transoeste também teve estações interditadas em razão de alagamentos. A chuva foi mais forte na zona oeste, cujos bairros registraram o maior volume de água. De acordo com o Centro de Operações, na estação de Bangu em apenas uma hora choveu o equivalente a 44% da média histórica do mês de março.

A Geo-Rio registrou deslizamentos de encostas em Jacarepaguá, Bangu e Realengo. A Defesa Civil municipal recebeu 104 chamados entre 20h30 de sábado e o início da tarde deste domingo, a maioria na zona oeste.

Quatro imóveis foram interditados. Foram identificados 93 bolsões d'água na cidade, dos quais 42 já haviam sido solucionados até as 12h deste domingo.
Nas redes sociais, moradores da zona oeste divulgaram os efeitos da chuva em suas ruas e casas.

"Estamos em alerta máximo. Nossos órgãos estão preparados para resolver as situações e as nossas equipes estão nas ruas trabalhando. Vamos sair mais fortes de momentos como esses", disse o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

As chuvas também alagaram o Museu do Pontal, no Recreio. É a oitava vez que o local sofre com as chuvas desde a construção de condomínios no seu entorno. A previsão é que as obras no museu para evitar novos alagamentos sejam concluídas em julho.

A chuva também causou transtornos em outros municípios do estado. Segundo o Corpo de Bombeiros, houve registro de transbordamento em rios de Niterói, São João de Meriti, Duque de Caxias, Macaé, Bom Jesus de Itabapoana, Italva, Tanguá e Itaboraí.

Em Magé, três casas foram atingidas por deslizamentos. Duas pessoas foram resgatadas com vida.Em Mesquita, o asfalto da rua Coronel França Leite cedeu formando uma enorme cratera.

A chuva que castigou a zona oeste não afetou o maior desfile do encerramento de Carnaval da cidade. De acordo com a Riotur, 145 mil foliões acompanharam a apresentação do Monobloco, no centro. A previsão do tempo indica mais chances de chuva forte para todo o estado do Rio nesta segunda-feira.

Veja também

Inteligência Emocional é tema de oficina online para crianças
Educação

Inteligência Emocional é tema de oficina online para crianças

A vacina chegou, mas os cuidados contra a Covid-19 não podem ir embora
Alerta

A vacina chegou, mas os cuidados contra a Covid-19 não podem ir embora