Desastre

Ciclone em Moçambique deixa pelo menos nove mortos

Pessoas afetadas por tempestades em janeiro chegam a 288.400

Moçambique depois do ciclone EloiseMoçambique depois do ciclone Eloise - Foto: BRUNO PEDRO / UNICEF / AFP

Pelo menos nove pessoas morreram devido ao ciclone Eloise, em Moçambique, e o total de pessoas afetadas pela tempestade e outras cheias de janeiro chega a 288.400, anunciaram as autoridades.
 
Sete mortes foram registradas na província de Sofala, outra na Zambézia e uma em Manica, regiões no centro do país, mostra o mais recente balanço do Instituto Nacional de Gestão de Desastres (INGD) moçambicano, publicado nesta quarta-feira (27) no jornal diário estatal Notícias.
 
De acordo com o INGD, operações de busca e salvamento são feitas naquelas regiões, onde a Organização das Nações Unidas (ONU) estima a existência de 18 mil desalojados.
 
O ciclone Eloise atingiu o centro de Moçambique no sábado (23), depois de a tempestade Chalane ter provocado sete mortes, na mesma zona, no fim de 2020.
 
O país está em plena época chuvosa e ciclônica, que ocorre entre os meses de outubro e abril, com ventos procedentes do Oceano Índico e cheias com origem nas bacias hidrográficas da África Austral.


O período chuvoso de 2018/2019 foi dos mais severos que já ocorreram em Moçambique: - 714 pessoas morreram, incluindo 648 vítimas de dois dos maiores ciclones (Idai e Kenneth) que já atingiram o país em tão poucas semanas.

 

Veja também

STF concede domiciliar a empresário preso em operação contra Crivella
Justiça

STF concede domiciliar a empresário preso em operação contra Crivella

Lira chama governadores para diálogo sobre pandemia após ataques de Bolsonaro a medidas restritivas
Coronavírus

Lira chama governadores para diálogo após ataques de Bolsonaro a medidas restritivas