Cientistas dizem que, apesar de esperada, demissão de diretor do Inpe é chocante

Em nota, Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma rede de 47 organizações da sociedade civil, diz que a exoneração é lamentável, mas esperada

Ex-diretor do Inpe, Ricardo GalvãoEx-diretor do Inpe, Ricardo Galvão - Foto: Divulgação

Pesquisadores brasileiros dizem que a exoneração de Ricardo Galvão, diretor do Inpe, não é surpreendente, mas ainda assim é chocante e pode prejudicar a imagem externa do país. O ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) decidiu exonerar nesta sexta (2) o diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão, após críticas a dados sobre desmatamento considerados sensacionalistas pelo governo.

Em nota, Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma rede de 47 organizações da sociedade civil, diz que a exoneração é lamentável, mas esperada. "Ele selou seu destino ao não se calar diante das acusações atrozes de Jair Bolsonaro ao Inpe. Ao reagir, Galvão também preservou a transparência dos dados de desmatamento, ao chamar a atenção da sociedade brasileira e da comunidade internacional para os ataques sórdidos, autoritários e mentirosos de Bolsonaro e Ricardo Salles à ciência do Inpe."

Rittl também afirma que a imagem do Brasil fica comprometida pela "cruzada contra os fatos". Ronald Cintra Shellard, diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, também disse que, apesar de esperada, a exoneração é chocante. Segundo Shellard, a demissão pode prejudicar a imagem do Brasil no exterior. "Esse evento vai trazer uma reputação para o país muito séria. Vai ter consequência muito negativa sobre como o país trata os cientistas."

Leia também:
Plano Nacional de Educação pode ajudar a atingir metas da Agenda 2030
Novo bloqueio do Orçamento atinge R$ 348 milhões da Educação


O diretor da CBPF usa artigo da revista científica Nature, publicado nesta quinta, como exemplo. O texto "'Tropical Trump' sparks unprecedented crisis for Brazilian science" ('Trump tropical' leva ciência brasileira a crise sem precedentes, em tradução livre) cita os ataques de Bolsonaro aos dados produzidos pelo Inpe.
Shellard afirma que a indignação do pesquisador é compreensível. "Cada um teria reagido de maneira distinta, mas o ponto fundamental é que não é aceitável que autoridades faltem com respeito a subalternos", diz o diretor do CBPF. "Autoridades não têm o direito de faltar com respeito ao cidadão."

Segundo Shellard, é preciso deixar claro que o desmatamento na Amazônia é uma responsabilidade dos ministros, do presidente e de toda geração atual com as pessoas que estarão vivas em 2100. "O Presidente da República tem uma filha nova que vai estar viva em 2100. A questão da Amazônia vai ter um impacto importantíssimo na vida dos nossos filhos e netos. É preciso ter responsabilidade para entender o que está acontecendo antes de reagir", diz o pesquisador.

"Ironicamente, do ponto de vista político, Galvão sempre foi conservador", diz Shellard, que era vice-diretor do CBPF no período em que Galvão foi diretor do centro. Márcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace, diz, em nota, que a exoneração de Galvão é um ato de vingança. "Bolsonaro sabe que seu governo é o principal responsável pelo atual cenário de destruição da Amazônia.

A exoneração do diretor do Inpe é apenas um ato de vingança contra quem mostra a verdade. O novo governo vem implementando no país um projeto antiambiental, que sucateia a capacidade do Estado de combater o desmatamento e favorece quem pratica o crime florestal."

Veja também

Brasil tem 49,8 mil novos casos de Covid-19 e 698 mortes em 24 horas
Coronavírus

Brasil tem 49,8 mil novos casos de Covid-19 e 698 mortes em 24 horas

Igrejas de Olinda receberão painéis táteis com informações turísticas para visitantes cegos e surdos
Acessibilidade

Igrejas de Olinda receberão painéis táteis com informações turísticas para visitantes cegos e surdos