fenômeno

Clarão é visto no céu da RMR e de outros estados do Nordeste; especialistas detalham fenômeno

Vídeos que circulam nas redes sociais captaram o clarão em diferentes pontos

Bólido brilhante pôde ser visto de vários estados do NordesteBólido brilhante pôde ser visto de vários estados do Nordeste - Foto: Reprodução/Redes Sociais

Um clarão no céu foi avistado em diferentes cidades de Pernambuco e de outros estados do Nordeste, na noite dessa terça-feira (27). 

Segundo a Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon), trata-se de um meteoro, que atingiu a atmosfera por volta das 23h.

O bólido brilhante pôde ser visto no Recife, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe, Igarassu, Abreu e Lima e Ipojuca, na Região Metropolitana. Também há relatos em Lagoa de Itaenga, na Mata Norte pernambucana, e em Maceió, Alagoas.

Vídeos que circulam nas redes sociais captaram o clarão em diferentes pontos. Imagens do circuito de segurança de uma residência mostram quando uma "bola de fogo" passa pelo céu, às 22h55, e é espelhada na água de uma piscina.

O astrônomo e diretor técnico da Bramon, Marcelo Zurita, informou que o meteoro foi registrado pelo satélite Goes-16 e pode ter sido visto também nos estados da Paraíba, Alagoas, Sergipe e em parte da Bahia.

“Meteoros são muito comuns, registramos centenas deles todas as noites nas câmeras da Bramon. Mas um tão brilhante quanto este já é algo bem raro”, destacou Zurita.

O astrônomo detalha que um meteoro é o fenômeno luminoso gerado pela passagem de um fragmento de rocha espacial em alta velocidade pela atmosfera.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Folha de Pernambuco (@folhape)

 

“A velocidade é tão alta que aquece e energiza o ar a sua volta, fazendo com que ele brilhe como uma lâmpada”, informou o especialista.

De acordo com Cleiton Batista, integrante do Núcleo de Educação do Espaço Ciência, para chegar à conclusão de que foi, de fato, um meteoro, foi necessário o cruzamento de informações com diferentes redes de monitoramento.

“A partir de uma análise de diferentes fontes de informação, como a Bramon e o Goes-16, que é um satélite meteorológico geoestacionário, a gente conseguiu concluir que foi um meteoro que adentrou à atmosfera”, relata.

Cleiton informou, ainda, que os fragmentos que atingem a atmosfera, denominados meteoroides, podem ter dimensões de mícrons a um metro, e velocidade que varia de 39 mil a 258 mil km/h.

“Quando esses fragmentos resistem à atmosfera terrestre, e chegam à superfície da Terra, recebem o nome de meteorito, possuindo uma riqueza científica enorme, podendo esclarecer questionamentos da formação do nosso sistema solar, por exemplo”, destaca.

O integrante do Núcleo de Educação do Espaço Ciência orienta que, caso um meteorito seja encontrado, é necessário entrar em contato com uma instituição de ensino federal (IF's) ou universidade públicas, para que o material seja identificado e estudado.

Marcelo Zurita informou que a Bramon possui um formulário online, que pode ser acessado pelo link bramon.imo.net, para coletar relatos de avistamento de bólidos. "O conjunto desses relatos nos ajuda a obter informações sobre o meteoro, além de envolver a população na pesquisa", afirmou.

Veja também

Polícia diz que ataque em igreja australiana foi ato terrorista
Mundo

Polícia diz que ataque em igreja australiana foi ato terrorista

Casal Biden publica declaração de renda, com receitas de US$ 620 mil
EUA

Casal Biden publica declaração de renda, com receitas de US$ 620 mil

Newsletter