Balanço do Carnaval

Clima de paz reinou nas festas no Recife e em Olinda

O público conseguiu brincar o Carnaval com tranquilidade

Foliões conseguiram brincar o Carnaval em clima de tranquilidade tanto no Recife quanto em Olinda Foliões conseguiram brincar o Carnaval em clima de tranquilidade tanto no Recife quanto em Olinda  - Foto: Peu Ricardo/Divulgação

Diferente do que muita gente achava, o Carnaval de rua do Recife e de Olinda rolou na paz. Exceto alguns furtos na multidão, o clima foi de tranquilidade tanto nas ruas da capital pernambucana quanto nas ladeiras da cidade histórica. É verdade que alguns foliões preferiram outros destinos durante a folia. Foi visível, por exemplo, o esvaziamento no Galo da Madrugada, mas nada que tirasse o brilho e beleza do nosso maior bloco de rua.

Muitos foliões deixaram de ir ao Galo da Madrugada com medo da violência

Foto: Muitos foliões deixaram de ir ao Galo da Madrugada com medo da violência
Créditos: Arthur Mota

Olinda, como sempre, foi point da turma jovem nos quatro dias de festa. Tinha opção de agito para todos os gostos: a rua (princípio e certeza do verdadeiro espírito carnavalesco), os camarotes (um modo diferente e mais confortável de curtir os agitos, e igualmente legítimo) e os hotéis e pousadas, nos esquemas de day use, onde o público aproveitava a comodidade e o calor da rua.

O clima tenso do pré-Carnaval deixou todos apreensivos para a festa

Foto: O clima tenso do pré-Carnaval deixou todos apreensivos para a festa
Créditos: Peu Ricardo/Divulgação

Só no Recife, cerca de 1,3 milhão de pessoas circularam pelos 47 polos de festa, onde rolaram 2.310 apresentações de 965 artistas locais e nacionais. O dia em que mais gente compareceu foi a segunda-feira, com 200 mil pessoas só no palco do Marco Zero.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

Salas têm 80% de ocupação; Defensoria diz que Inep mentiu
Enem 2021

Salas têm 80% de ocupação; Defensoria diz que Inep mentiu