Clubes fracassam em negociação com Globo e aceitam redução de verba

O máximo de sucesso que as agremiações tiveram foi fazer com que a emissora reduza 60% em abril, não mais 70%, como ocorrerá em maio e junho

Corinthians e Flamengo empatam em 1x1 na Arena ItaqueraCorinthians e Flamengo empatam em 1x1 na Arena Itaquera - Foto: Divulgação

Depois de três dias de reuniões por videoconferência, os clubes da Série A do Campeonato Brasileiro praticamente não conseguira m mudar condições apresentadas pelo Grupo Globo e aceitaram a redução de até 70% no repasse feito pela emissora, dona dos direitos de transmissão do torneio, em abril, maio e junho. O máximo de sucesso que tiveram foi fazer com que a emissora reduza 60% em abril, não mais 70%, como ocorrerá em maio e junho.

O aceite tem dois motivos: o aperto financeiro em que as agremiações se encontram, com a paralisação das atividades diante da pandemia da Covid-19, e o receio de a Globo ir à Justiça para suspender o contrato até que o Brasileiro comece, algo que ainda não tem data para acontecer.

De abril a junho deste ano, as 20 equipes que estarão na elite do país deveriam receber R$ 1,5 milhão cada uma por mês, pelos direitos de exibição das partidas em TV aberta. Diante da crise, porém, a Globo enviou carta com a proposta de pagar R$ 396.768,75 nos meses de abril, maio e julho. A partir de julho, as mensalidades passariam para R$ 1.124.178,13.

Na quarta-feira (29), os dirigentes fizeram uma contraproposta. A Globo se manteve irredutível e concordou apenas com o aumento da prestação de abril, compensada pela diminuição das de maio e junho. Em vez de pagar R$ 396,7 mil neste mês, a emissora irá repassar R$ 449,6 mil. Já em maio e junho, as prestações serão de R$ 337,2 mil.

"Não é possível ainda dimensionar a extensão dos danos já provocados ou calcular todas as consequências futuras da crise deflagrada pela pandemia [do coronavírus]. A temporada 2020 do Campeonato Brasileiro deveria ter início no dia 2 de maio, mas tudo indica que será adiada, sendo impossível no momento prever quando se iniciará", diz o texto enviado pela emissora aos clubes.

Ressalta ainda que, como é impossível prever o que vai acontecer nos próximos meses, a pandemia pode "demandar novos ajustes nas obrigações contratuais".
Pelo contrato assinado com as equipes até 2024, a empresa paga por ano R$ 600 milhões pela transmissão em TV aberta, divididos da seguinte forma: 40% (R$ 240 milhões) distribuídos de maneira igualitária, 30% (R$ 180 milhões) de acordo com a classificação no campeonato e outros 30% segundo o número de jogos transmitidos.
De receita fixa, cada uma das 20 agremiações tem direito a R$ 12 milhões anuais, com parcelas de valores variáveis dependendo do mês.

Em reuniões realizadas entre executivos e cartolas, a explicação da Globo foi que a proposta não prevê diminuição no valor total do contrato, mas uma mudança nas prestações. O grupo já havia pago normalmente os três primeiros meses do ano. O contrato de pay-per-view não deverá sofrer modificação por enquanto, bem como o da Copa do Brasil.

Há estados, no entanto, em que a Globo ainda não quitou todas as parcelas dos torneios regionais. Em São Paulo, por exemplo, falta um depósito não pago, já que o Paulista foi paralisado em 16 de março. Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Santos ainda têm a receber cerca de R$ 5 milhões cada um.

Do saldo a ser quitado dos estaduais, a Globo oferece pagar 10% no início de maio, 15% quando o torneio voltar a ser jogado e os 75% restantes ao término dele. A emissora também autoriza que os contratos de televisionamento sejam oferecidos como garantia em empréstimos bancários, algo que alguns clubes já haviam feito. À reportagem a assessoria de imprensa da Globo disse que tem analisado todos os impactos e se debruçado sobre possíveis alternativas para superar a crise. Por isso, montou a fórmula das prestações pagas aos clubes.

Leia abaixo a nota enviada pela Globo "Desde a suspensão das competições, a Globo tem analisado de perto todos os impactos da pandemia no ecossistema do futebol e se debruçado sobre possíveis alternativas para superarmos esta crise. Assim, desenvolvemos um novo cronograma de pagamentos para 2020, que abrange os clubes com os quais temos acordos para a Série A; à CBF, referente aos acordos da Série B e da Copa do Brasil; e às Federações com as quais temos contrato para a transmissão de Estaduais. O cronograma de repasse da receita do Premiere para os Clubes da Série A se mantém inalterado até que o novo calendário seja confirmado.

Esse movimento reflete um esforço da Globo na tentativa de contribuir com o futebol durante os meses de crise, ainda sem conhecimento pleno dos impactos da pandemia nas nossas atividades, que podem gerar a necessidade de novos ajustes. É um cenário extremamente desafiador e com impactos importantes para todos. Somos otimistas e acreditamos na retomada do nosso futebol em breve, desde que com segurança para todos, não só pelo conteúdo que ele gera ao público em todas as plataformas, mas pela alegria e emoção que representa em um momento tão difícil para o Brasil."

Leia também:
‘O futebol também é vida’, diz Schulle sobre possibilidade de retorno dos jogos
Jogadores precisarão treinar de máscara no retorno do futebol inglês

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Bruno Covas segue internado sem previsão de alta, dizem médicos
Câncer

Bruno Covas segue internado sem previsão de alta, dizem médicos