Com ameaça de protesto, Temer não vai a velório; parente pede dignidade

O peemedebista estará presente apenas em cerimônia reservada e militar de recepção dos corpos das vítimas

Deputado federal reeleito, Eduardo da Fonte, presidente estadual do PP, sentiu que seu partido foi bem contemplado com uma secretaria dentro do segundo Governo Paulo CâmaraDeputado federal reeleito, Eduardo da Fonte, presidente estadual do PP, sentiu que seu partido foi bem contemplado com uma secretaria dentro do segundo Governo Paulo Câmara - Foto: Divulgação

Com uma ameaça de protesto contra o governo federal, o presidente Michel Temer não participará neste sábado (3) do velório coletivo das vítimas do desastre aéreo que matou jogadores e dirigentes da Chapecoense.

O peemedebista estará presente apenas em cerimônia reservada e militar de recepção dos corpos das vítimas, marcada para a manhã de sábado no aeroporto municipal de Chapecó, no interior de Santa Catarina.

No local, o presidente, que deve estar acompanhado da primeira-dama Marcela Temer, pretende entregar às famílias das vítimas a Ordem do Mérito Esportivo, a maior comenda do esporte brasileiro.

O pai do zagueiro Filipe Machado, contudo, disse que não irá ao aeroporto se encontrar com o presidente. Em entrevista à ESPN Brasil, ele afirmou que considera a atitude de Temer um desrespeito.

"A pessoa importante aqui hoje somos nós e os nossos filhos que morreram", afirmou Osmar Machado. Ele disse ainda que o presidente deveria "ter vergonha na cara" e ir até o velório na Arena Condá.

"Eu vou chegar lá, cumprimentar e vai sair no mundo inteiro: 'O pai do Filipe cumprimentou o Michel Temer'. O que que eu quero com esse tipo de coisa? Eu não preciso do cumprimento dele no aeroporto. Se ele tem dignidade e vergonha na cara, que venha aqui cumprimentar as pessoas", afirmou.

Marla Schardong, viúva de Fernando Schardong, jornalista da Rádio Chapecó, é mais ponderada. "Neste momento, a gente não deve misturar as coisas. Ele vem para um ato que é uma homenagem a eles [vítimas do acidente]. A mim não incomoda [Temer não ir ao velório]. Por mais que não concorde com as atitudes dele enquanto presidente, eu respeito a vinda dele dessa forma. Queiramos ou não, ele é o nosso presidente da República."

MOBILIZAÇÃO

Segundo a Folha de S.Paulo apurou, o Palácio do Planalto identificou uma mobilização de grupos de esquerda para promover neste sábado (3) um protesto contra o governo federal em Chapecó.

Por conta da ameaça, o presidente chegou a até mesmo ser recomendado por assessores e auxiliares a não viajar para a cidade, para evitar que uma manifestação pudesse prejudicar a cerimônia fúnebre.

Por enquanto, contudo, a viagem está mantida. Nas palavras de um assessor presidencial, é importante que o peemedebista demonstre solidariedade diante de uma tragédia nacional e ignore "aqueles que querem promover disputa política em momento de dor".

No dia do acidente aéreo, o presidente lamentou e disse que trata-se de um acontecimento "infausto" e "tristíssimo". Ele lembrou que o governo federal disponibilizou aeronave para transportar familiares das vítimas para a Colômbia e que o Ministério das Relações Exteriores foi acionado para providenciar o deslocamento ao Brasil dos corpos.

"Eu quero, mais uma vez, lamentar o infausto acontecimento que gerou o falecimento de uma equipe de futebol e vários que a acompanhavam. Para nós, é um fato tristíssimo e a única coisa que podíamos fazer era tomar providências para dar apoio às famílias que se enlutaram neste momento", disse.

Veja também

Manaus pode ter atingido 'imunidade de rebanho', aponta estudo
Coronavírus

Manaus pode ter atingido 'imunidade de rebanho', aponta estudo

Trump endurece sanções a Cuba em aceno a eleitores latinos da Flórida
internacional

Trump endurece sanções a Cuba em aceno a eleitores latinos da Flórida