Com aval de Alcolumbre, votação da Previdência no Senado é adiada para próxima semana

Sem consenso na Casa, a votação da reforma passou para a próxima terça (1º) na CCJ e, no mesmo dia, à tarde, no plenário

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP)Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por decisão dos líderes do Senado, a votação da reforma da Previdência foi adiada para a próxima semana.

A previsão anterior era que a proposta fosse analisada pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) nesta terça-feira (24) e pelo plenário da Casa na quarta (25).
Mas senadores também querem cobrar a fatura para votar o principal projeto econômico do governo em tramitação no Congresso. Sem consenso na Casa, a votação da reforma passou para a próxima terça (1º) na CCJ e, no mesmo dia, à tarde, no plenário.

Leia também:
Alcolumbre critica ação da PF contra líder do governo e diz que Senado questionará STF
CCJ do Senado confirma sabatina de candidato à PGR para o dia 25
Silvio Costa Filho: “Acho que o Congresso errou"

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), disse que a decisão de adiamento teve o aval do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). "Fui voz vencida. Achávamos que [...] conseguiríamos votar a reforma da Previdência até 15h para não prejudicar [a sessão do] Congresso, mas houve uma determinação do presidente da Casa junto com os líderes e nós temos que acatar", afirmou Tebet.

Alcolumbre convocou uma sessão do Congresso para a tarde desta terça para votar os vetos à lei de abuso de autoridade, além de analisar um projeto que permite a liberação de emendas parlamentares para deputados que votaram a favor da reforma da Previdência.

Emendas são formas de um parlamentar destinar recursos para sua base eleitoral e foram negociadas com o Palácio do Planalto quando a proposta de reestruturação das regras de aposentadorias estava na Câmara. Senadores também querem o mesmo benefício e interlocutores do presidente Jair Bolsonaro analisam os pedidos do Senado.

Além disso, a operação da Polícia Federal que teve como alvo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), por suposto recebimento de propina gerou um clima de instabilidade.

A ação da semana passada irritou Alcolumbre e líderes partidários criou um cenário de revanchismo às vésperas do primeiro teste da reforma no plenário do Senado. Eles se reúnem com o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, na manhã desta terça para discutirem a operação da Polícia Federal.

O presidente do Senado minimizou a decisão que tomou junto com os líderes à respeito da reforma da Previdência. Ele declarou que, apesar do atraso no calendário nesta semana, a previsão para concluir a votação do projeto no Senado continua no dia 10 de outubro.

Veja também

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País
Educação

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País

Letalidade da Covid-19 no Brasil está em torno de 3%
Coronavírus

Com quase 137 mil mortos pela Covid-19, Brasil tem taxa de letalidade em torno de 3%