Coronavírus

Com falta de oxigênio, Peru vive fase crítica da pandemia

A demanda por oxigênio subiu 200%, segundo autoridades, sem aumento da oferta

Oxigênio no Peru em falta provoca colapso no sistema de saúdeOxigênio no Peru em falta provoca colapso no sistema de saúde - Foto: Ernesto Benavides/AFP

Quase 200 pessoas morreram de Covid-19 por dia no Peru em fevereiro com a segunda onda da pandemia, quatro vezes mais do que em dezembro, e a falta de oxigênio médico impede o tratamento de milhares de pacientes.

“A mortalidade aumentou por falta de oxigênio, por falta de resposta e evidentemente os mais frágeis são as maiores vítimas”, disse à AFP o médico Guillermo Contreras, chefe da terapia intensiva da Clínica Cayetano Heredia, em Lima.

“O problema do oxigênio é a nível nacional”, afirmou à AFP o médico Carlos Calampa, chefe da Saúde da região de Loreto.

A falta de oxigênio obriga milhares de peruanos a fazer fila por até quatro dias para conseguir uma recarga para um parente doente.

No país existem hoje quase 100.000 pessoas com Covid-19, segundo dados oficiais, das quais cerca de 15.000 estão hospitalizadas, o que saturou os serviços de saúde.

A demanda por oxigênio subiu 200%, segundo autoridades, sem aumento da oferta.

“Há falta de oxigênio e muitas pessoas estão morrendo por causa disso”, disse à AFP o Dr. Javier Gutiérrez, chefe da Faculdade de Medicina da região andina de Arequipa.

“O governo não foi capaz de resolver o problema do oxigênio apesar de vê-lo crítico em 2020 [na primeira onda]. Ele teria que tomar as medidas sanitárias corretas para ter preparado todos os problemas de saúde para enfrentar esta segunda onda”, diz ele.

Este elemento vital não é exigido apenas por pacientes hospitalizados com coronavírus, mas também por dezenas de milhares que permanecem em suas casas em todo o Peru.

A carência começou há um mês e o déficit não foi coberto apesar de doações de empresas, como a mineradora Southern, e da inauguração de algumas fábricas municipais em Lima.

O governo prometeu que a situação vai melhorar com a chegada de oxigênio do Chile. Os dois primeiros caminhões entraram em território peruano nesta sexta-feira em direção a Arequipa (sudeste), segundo a mídia local.

O Chile se ofereceu há duas semanas para enviar oxigênio, mas faltaram veículos adequados para transportá-lo.

Revendedores
Houve longas filas nos locais de venda de oxigênio em todo o último mês. Alguns clientes disseram à AFP que demoraram quatro dias para comprar uma recarga, então dormiram na rua.

Com a proliferação dos revendedores, todas as lojas agora exigem receita e fotocópia do documento de identidade do paciente.

A paróquia de San Marcos, na populosa capital do distrito de San Juan de Lurigancho, inaugurou há poucos dias uma fábrica com o apoio do município de Lima e a distribui gratuitamente à população.

Em Puente Piedra, os moradores realizaram sorteios para arrecadar dinheiro e abriram uma fábrica para recarga gratuita esta semana.

Cada tanque contém 10 metros cúbicos de oxigênio sob pressão. Mas há lugares que só os recarregam pela metade para que mais pessoas possam levá-los. Um metro cúbico vale entre 5,5 e sete dólares.

O Peru registra 1,3 milhão de infecções por covid-19 e mais de 45.000 mortes. O vírus se comporta de forma mais agressiva nessa segunda onda, segundo os médicos.

“Agora o paciente em três dias está entrando em insuficiência respiratória. É uma cepa mais agressiva, é uma cepa de disseminação mais rápida e ainda mais letal”, diz Calampa.

O médico enfatiza que sua região de selva tem uma necessidade "vital" de cuidar dos pacientes com covid-19, já que "o pulmão do mundo é asfixiado sem oxigênio".

Veja também

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando
Fiscalização

Em dois anos Brasil apreende 114 milhões de maços de cigarro oriundo de contrabando

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021
Pandemia

Mortes de grávidas e puérperas por Covid-19, no Brasil, dobram em 2021