Comerciante é condenado a 30 anos de prisão pelo assassinato da fisioterapeuta Tássia Mirella de Sen

Comerciante Edvan Luiz da Silva foi condenado pelo júri popular nesta segunda-feira (5) por homicídio e estupro da fisioterapeuta

Edvan Luiz da SilvaEdvan Luiz da Silva - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

O comerciante Edvan Luiz da Silva foi condenado a 30 anos de prisão em regime fechado, sendo 24 anos pelo homicídio e seis anos pelo estupro da fisioterapeuta Tássia Mirella de Sena Araújo, morta a facadas em 2017, aos 28 anos, no flat onde morava, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.

Edvan, de 35 anos, foi condenado pelo júri popular realizado nesta segunda-feira (5), no Fórum Thomaz de Aquino, no bairro de Santo Antônio, no Centro da cidade. A sessão foi presidida pelo juiz Pedro Odilon de Alencar.

Leia também:
Em julgamento, réu nega ter estuprado e matado fisioterapeuta e desqualifica investigação
"Eu não aceito a morte da minha filha desse jeito. Quero justiça", diz mãe de fisioterapeuta

O Conselho de Sentença considerou Edvan Luiz culpado pelo homicídio qualificado, tendo como qualificadoras: feminicídio, emprego de meio cruel, recurso que tornou impossível a defesa da vítima e crime cometido para assegurar ocultação/impunidade de outro crime; e também pelo estupro de Mirella. Para o julgamento, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) arrolou quatro testemunhas. Não foram arroladas testemunhas de defesa.

Emocionada, a mãe da jovem, Suely Cordeiro, ficou satisfeita com a sentença de Edvan. "Só queríamos que a luta dela não tivesse sido em vão. Não vou ter mais minha filha de volta, mas pelo menos conseguimos Justiça", disse ao lembrar que a filha era militante dos direitos das mulheres.

O pai de Mirella, Wilson Araújo, falou que a condenação era esperada pela família desde o dia do assassinato. "Um crime cruel dessa natureza não poderia ficar impune. Não estou satisfeito nem contente, pois nada vai trazer minha filha de volta, mas pelo menos a Justiça foi feita".

Após o término do julgamento, o advogado de defesa Rawlinson Ferraz disse discordar da sentença. "Já recorremos em plenário e vamos discutir no Tribunal. Temos muito respeito à soberania dos jurados, mas entendemos que, infelizmente, tanto a dosimetria da pena foi exacerbada, quanto a questão de ver as provas com mais cuidado", disse.

A fisioterapeuta Tássia Mirella de Sena Araújo foi encontrada sem vida no dia 5 de abril de 2017 na sala do flat onde morava, no 12º andar do edifício Golden Shopping Home Service, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Segundo a perícia, Tássia Mirella foi encontrada sem roupa e teve o pescoço cortado, tipificando o crime em feminicídio. Em novembro de 2017, o governador Paulo Câmara assinou a Lei nº 16.196, onde instituiu a data do crime como o Dia Estadual de Combate ao Feminicídio em alusão a morte de Tássia Mirella.

Veja também

Mais de um milhão de mortes por Covid-19 registradas no mundo, aponta agência
Covid-19

Chega a mais de 1 milhão o número de pessoas mortas por Covid-19, diz agência

Covid-19: Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS

Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes em 24 horas