Competição de robótica traz oportunidades para alunos da rede municipal do Recife

Neste ano, a novidade é que o evento compõe a etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) de 2019

Competição de robóticaCompetição de robótica - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Robôs, tecnologia e a promessa de um futuro melhor. Nesta terça-feira (20), alunos do 6º ao 9º ano de escolas da rede municipal do Recife lotaram a quadra esportiva do Centro Comunitário da Paz (Compaz) Ariano Suassuna, no Cordeiro, para participar do IV Torneio de Robótica do Recife (Torre). Neste ano, a novidade é que o evento compõe a etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) de 2019.

Com 123 equipes, totalizando 490 atletas, a competição se estende até a quarta-feira (21), das 10h às 16h, quando será anunciada a equipe vencedora. O evento é aberto ao público e são esperados quase mil pessoas nos dois dias de competição.

O modelo do torneio vai seguir uma simulação proposta pela OBR, de forma que será realizado na categoria Resgate, onde noventa e três equipes participam do desafio nível 1, no qual o robô precisa resgatar a vítima para a área de salvamento. Já no nível 2, competem 30 equipes, que devem resgatar a vítima, suspendê-la e colocá-la em uma área segura. O objetivo do torneio é buscar soluções diferentes para problemas do cotidiano com o uso de robôs.

Leia também:
Evento aposta em contos fantásticos e concurso para incentivar a leitura nos alunos do Recife
Aula Espetáculo resgata ritmos e tradições do São João nordestino

Wellington Moura, professor da Escola Municipal Dom Bosco, em Jardim São Paulo, vê a participação dos alunos como uma oportunidade de conhecer mais sobre o mundo ao redor. “O trabalho com a robótica ajuda os alunos no desenvolvimento intelectual, pessoal - eles veem que tem um mundo fora da escola, motiva eles a quererem algo maior e algo melhor para o futuro”, comenta. O professor de matemática preparou uma equipe para competir no TORRE.

O trabalho da robótica nas escolas é um movimento de engajamento pedagógico, contando com o aspecto competitivo. Para o gerente geral de tecnologia na educação do Recife, Gutenberg Cavalcanti, competir “faz parte de um processo de envolvimento e colaboração entre estudante e professor”. De acordo com o profissional, a tecnologia com robôs pode ser utilizada para explicar várias disciplinas e aspectos, como “matemática, fenômenos da natureza, língua portuguesa e até a questão digestiva”.

A estudante Rhayannie Joylly, do 6º ano, participa da competição pela primeira vez e já reúne bastante expectativas do torneio. Com 11 anos, a menina já mostra bastante interesse pela área e não mediu esforços para a competição. “Quando a gente estava na robótica, tentamos nos esforçar o máximo olhando as pistas, as peças e várias outras coisas do torneio”, conta. Para a competidora, expectativa é levar uma medalha para casa. “Acho que vai ser bem legal e eu quero ganhar, mas se não ganhar, pelo menos participei”, conta.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres