Confira cinco dicas para cuidar da saúde do seu cão ao brincar na piscina

Alimentação e uso de protetor solar são preocupações, assim como o risco de afogamento

Cão brincando na piscinaCão brincando na piscina - Foto: Helena Lopes/Pexels

Calor combina com piscina. O pet também pode se refrescar, mas o tutor deve ficar atento para evitar traumas e acidentes.

Alimentação e uso de protetor solar são preocupações, assim como o risco de afogamento. Enquanto labradores e goldens têm mais habilidade dentro da água, buldogues e pequineses devem ser constantemente observados.

Para a veterinária Thaís Matos, da DogHero, raças como basset hound, dachshund, shih-tzu, buldogue e pug não podem entrar na piscina. A pata curtinha -e possível dificuldade para sair da água- é um dos fatores de alerta. E cães braquicefálicos -de focinho achatado- podem apresentar dificuldade respiratória.

Leia também:
Spotify quer desestressar pets que ficam sozinhos em casa
Cão 'mais mal-humorado do mundo' vira celebridade na internet

A veterinária lista cinco dicas para cuidar do pet:

- Saúde e alimentação: para evitar que o animal passe mal ou tenha uma congestão, evite alimentá-lo antes de entrar na piscina. Segundo Thaís, o ideal é cair na água três horas depois de alguma refeição. Outro cuidado: verifique se o pet está com verminose intestinal, doenças de pele ou qualquer outra complicação de saúde e, em caso positivo, evite o contato dele com a água;

- Traumas e acidentes: a veterinária orienta deixar o cachorro bem à vontade, para que ele entre na piscina como desejar -ou coloque-o lentamente e com cuidado. Ela afirma que muitos pais e mães de cães cometem o erro de jogar o animal na água, achando que é uma brincadeira. Isso, no entanto, pode gerar trauma e até machucar o animal;

- Queimaduras: o solo quente pode causar queimaduras nas patas do cachorro. Aproveite os dias de verão em horários em que o sol esteja mais ameno. Além disso, animais também precisam usar de protetor solar, especialmente nas orelhas e focinho -há produto próprio para pets;

- Proteção contra afogamentos: segundo Thaís, a dica para os cães que não são acostumados a entrar na piscina é colocar uma coleira de peito para que, caso o animal fique cansado ou tenha câimbras, você consiga puxá-lo rapidamente. Outra opção é usar coletes salva-vidas. Há produtos próprios para pets, parecidos com os usados pelos humanos;

- Cuidados pós piscina: banho com xampu próprio para cães é fundamental após a piscina, para tirar o cloro dos pelos. A secagem é essencial para evitar micose, dermatites e alergias ao cloro. A veterinária diz que também é importante secar bem as patinhas, as orelhas e checar se há água no ouvido, pois esse acúmulo pode gerar um quadro de inflamação chamado de otite.

Veja também

Internado com Covid-19, idoso reencontra cachorrinha de estimação em despedida emocionante
Folha Pet

Internado com Covid-19, idoso reencontra cadela de estimação em despedida emocionante

Defensoria e MPPE recomendam ampliação de canais de agendamento para vacinação de idosos no Recife
RECIFE

Defensoria e MPPE recomendam ampliação de canais de agendamento para vacinação de idosos