israel

Confrontos na mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém terminam em mais de 350 detidos

Os confrontos dentro de um dos locais mais simbólicos do mundo para os muçulmanos coincidem com as celebrações do Ramadã muçulmano e da Páscoa judaica

Confrontos na mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém terminam em mais de 350 detidosConfrontos na mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém terminam em mais de 350 detidos - Foto: Ahamad Gharabli / AFP

A polícia de Israel anunciou a detenção de mais de 350 pessoas durante confrontos violentos na madrugada desta quarta-feira (5) na mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém.

Os confrontos dentro de um dos locais mais simbólicos do mundo para os muçulmanos coincidem com as celebrações do Ramadã muçulmano e da Páscoa judaica, em um clima de grande tensão entre israelenses e palestinos desde o início do ano.

O movimento islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza, denunciou um "crime sem precedentes" e convocou os palestinos da Cisjordânia ocupada "a comparecerem em massa à mesquita de Al-Aqsa para defendê-la".

O templo fica na Esplanada das Mesquitas, o terceiro local mais sagrado do Islã, em Jerusalém Oriental, o setor palestino da Cidade Sagrada ocupado e anexado por Israel. A Esplanada está construída sobre o que os judeus chamam de Monte do Templo, o local mais sagrado do judaísmo.

"Os líderes de ambas as partes devem agir de forma responsável e se abster de qualquer medida suscetível de exacerbar as tensões", afirmou o mediador da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, em um comunicado, declarando-se "consternado".

"A violência não tem lugar em um local sagrado e durante um período sagrado", tuitou o Escritório americano de Assuntos Palestinos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, também se manifestou nesse sentido, dizendo-se "impactado e consternado" com "a violência e as agressões" das forças israelenses dentro da mesquita, conforme seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

"Este momento do calendário, santo para os judeus, os cristãos e os muçulmanos, deveria ser de paz, e não de violência", declarou Guterres.

A Casa Branca também se pronunciou.

"Continuamos extremamente preocupados com a violência contínua e pedimos a todos os lados que evitem mais escalada", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, à imprensa. "É imperativo, agora mais do que nunca, que israelenses e palestinos trabalhem juntos para desescalar essa tensão e restaurar a calma", completou.

A calma retornou durante a manhã ao complexo, com os arredores sob forte esquema de segurança da polícia israelense, que controla o acesso à esplanada. Visitantes judeus, escoltados por guardas, percorreram por alguns minutos o local.

As forças de segurança de Israel entraram durante a noite na mesquita, "quebrando portas e janelas", quando os fiéis estavam no local para rezar, relatou Abdelkarim Ikraiem, um palestino de 74 anos que estava no templo.

Eles carregavam "cassetetes, bombas de gás lacrimogêneo e bombas de fumaça, e agrediram os fiéis", declarou à AFP.

O Crescente Vermelho palestino informou ter atendido, hoje, pelo menos 37 feridos.

Explosões
A polícia israelense divulgou um vídeo que mostra explosões do que pareciam ser fogos de artifício dentro do santuário e o que parecem ser pessoas atirando pedras.

Em outro vídeo da polícia, agentes da tropa de choque avançam em direção à mesquita e usam escudos como proteção aos disparos de foguetes.

As imagens mostram uma porta cercada por barricadas, fogos de artifício em um tapete e a polícia retirando pelo menos cinco pessoas algemadas.

Em um comunicado, a polícia denuncia a ação de "vários jovens criminosos e agitadores mascarados que entraram com fogos de artifício, pedaços de pau e pedras" na mesquita.

"Os líderes ficaram entrincheirados dentro da mesquita durante várias horas (após a última oração vespertina) para perturbar a ordem pública e profanar a mesquita, enquanto gritavam frases que incitavam o ódio e a violência", acrescenta a nota.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que as forças de segurança se viram "obrigadas a agir para restabelecer a ordem" frente aos "extremistas".

"Ação determinada"
O ministro israelense da Segurança Interna, Itamar ben Gvir, acusou os palestinos que foram retirados da mesquita de tentativa de "ferir e matar policiais, e ferir cidadãos israelenses". Ele elogiou a "ação rápida e determinada" da polícia.

Após os confrontos em Al-Aqsa, vários foguetes foram disparados a partir do norte da Faixa de Gaza em direção ao território de Israel.

Em represália, o Exército israelense executou ataques aéreos contra o que afirmou que eram instalações militares do Hamas na Faixa de Gaza, onde dezenas de pessoas haviam protestado horas antes. Os manifestantes queimaram pneus e prometeram "defender e proteger a mesquita de Al-Aqsa.

O conflito palestino-israelense ficou ainda mais tenso nos últimos meses, após a posse em dezembro de um dos governos mais à direita da história de Israel.

A violência deixou quase 110 mortes desde janeiro e foi retomada no fim de semana passado, após uma calma relativa que era observada desde o início do Ramadã, em 23 de março.

Veja também

Rivais do premiê votam na penúltima etapa das eleições indianas
índia

Rivais do premiê votam na penúltima etapa das eleições indianas

Justiça da Colômbia acusa ex-presidente Uribe de suborno e fraude
america latina

Justiça da Colômbia acusa ex-presidente Uribe de suborno e fraude

Newsletter