A-A+

Europa

Congestionamento de contêineres nos portos britânicos vai durar meses

No caso do Reino Unido, a situação se vê agravada pela significativa falta de caminhoneiros

Contêineres de cargaContêineres de carga - Foto: Pexels

O congestionamento que afeta portos de todo mundo e que obrigou, recentemente, vários navios porta-contêineres a se desviarem da Inglaterra para portos europeus vai durar mais de seis a nove meses - disse a Associação de Portos Britânicos (BPA, na sigla em inglês) à AFP nesta quarta-feira (13). 

Causada pelas perturbações do tráfego mundial decorrentes da pandemia da Covid-19, a situação já dura "mais de um ano" e "continuará por mais seis, ou nove, meses", afirmou o diretor de Assuntos Externos do BPA, Mark Simmonds.

Vários porta-contêineres gigantes repletos de mercadorias para o Natal tiveram de ser desviados de Felixstowe, o maior porto de contêineres britânico, na costa leste, para portos europeus, devido ao congestionamento em seus terminais, anunciou a gigante de navegação Maersk, na terça-feira (12).

Estes grandes cargueiros atracam em outros portos, como Roterdã, ou Antuérpia, e depois as mercadorias são transferidas para navios menores que as levam de volta para Felixstowe. 

O porto inglês, que movimenta 36% da carga marítima do Reino Unido, é "um dos 3-4 portos mais afetados do mundo", segundo o Maersk. 

Este congestionamento não é específico do Reino Unido, afirma a BPA, que registra tempos de espera na entrada de seus terminais "muito abaixo" da média mundial de "aproximadamente uma semana". 

A situação "é muito pior na China e nos Estados Unidos", afirma Simmonds. 

E os portos, ele explica, "estão todos conectados": um navio que sai da China, ou do Oriente Médio, uma semana depois do previsto e acumula atrasos em suas escalas dificulta para os portos a organização do planejamento de sua chegada ao Reino Unido. 

As lojas "começam a encher seus estoques para o Natal em setembro-outubro", o que cria um pico de transporte nesta época do ano, mas todas as mercadorias poderão ser importadas a tempo, disse Simmonds. 

No caso do Reino Unido, a situação se vê agravada pela significativa falta de caminhoneiros - 100 mil, segundo funcionários do setor. Isso faz os contêineres se acumularem nos portos, já que não há motoristas para transportá-los.

"Está claro que há um problema complexo, sobretudo, com os caminhoneiros, não apenas aqui, mas em toda Europa", declarou o copresidente do Partido Conservador no poder Oliver Dowden, em entrevista à Sky News, nesta quarta-feira (13).

O governo britânico está "trabalhando para resolver esses problemas", garantiu, declarando-se "convencido de que as pessoas poderão comprar seus brinquedos no Natal".

Veja também

Trabalhadores de Hollywood levantam ameaça de greve
Cinema

Trabalhadores de Hollywood levantam ameaça de greve

Cinzas vulcânicas causam suspensão de voos em ilha espanhola
ILHAS CANÁRIAS

Cinzas vulcânicas causam suspensão de voos em ilha espanhola