Conheça cinco escritores africanos para ler durante o isolamento social

De nacionalidades distintas, os autores e autoras tratam de perspectivas anticolonialistas, questões de raça e gênero, histórias dos seus povos e a riqueza cultural de cada país do continente

Chimamanda Ngozi, escritoraChimamanda Ngozi, escritora - Foto: Reprodução/Facebook

Um dos berços da cultura ocidental, a África apresenta riqueza e diversidade em múltiplas áreas da arte nas suas nações. Com a literatura não é diferente. Nos últimos anos, o continente tem exportado escritores de grande repercussão, entre jovens e experientes, para o mundo. A reportagem da Folha de Pernambuco selecionou cinco nomes africanos para ler enquanto durar o isolamento social. De nacionalidades distintas, os autores e autoras tratam de perspectivas anticolonialistas, questões de raça e gênero, histórias dos seus povos e a riqueza cultural de cada país do continente.

Chimamanda Ngozi Adichie (Nigéria)

A nigeriana, que nasceu no estado de Anambra, trocou o curso de medicina e farmácia para se tornar um dos maiores nomes da literatura mundial contemporânea. Mestra em Artes e Estudos Africanos pela Universidade de Yale, nos Estados Unidos, Chimamanda ganhou destaque com a publicação do primeiro livro, “Hibisco Roxo”, em 2003. Após a obra, a escritora publicou mais seis livros, mesclando narrativas de ficção africana e outras obras sobre feminismo. Hoje, a autora já ganhou vários prêmios literários e é considerada uma das maiores feministas do planeta.

Leituras indicadas: Hibisco Roxo, Meio Sol Amarelo, Americanah e Sejamos Todos Feministas.


Mia Couto (Moçambique)

Escritor moçambicano Mia Couto vem ao Recife para uma série de palestras

Escritor moçambicano Mia Couto - Crédito: : Pedro Soares/ Divulgação

Escritor popular no Brasil, Mia Couto é de Beira, cidade de Moçambique. Escritor e biólogo, teve sua primeira obra publicada em 1992, "Terra Sonâmbula". Com o livro, ganhou o Prêmio de Ficção da Associação dos Escritores Moçambicanos, em 1995. Incorporando expressões e particularidades da cultura moçambicana à língua portuguesa, Couto varia entre crônicas, poesias, contos e romances em sua obra. Entre premiações e honrarias, já foi homenageado no Prêmio Camões e Prêmio Neustadt, sendo um dos poucos escritores em português a conquistar tal ato.

Leituras indicadas: Terra sonâmbula, Um rio chamado tempo e Mulheres de cinza.

 

Chigozie Obioma (Nigéria)

Obioma vive nos Estados Unidos, onde trabalha como professor de literatura e escrita criativa na Universidade de Nebraska-Lincoln

Obioma vive nos Estados Unidos, onde trabalha como professor de literatura e escrita criativa na Universidade de Nebraska-Lincoln - Crédito: Facebook/Divulgação

O primeiro confirmado na Flip, em Paraty, na edição que seria realizada no fim deste ano, Obiama é um dos jovens promissores da literatura nigeriana. Hoje, ele mora nos Estados Unidos, onde atua como professor de literatura e escrita criativa na Universidade de Nebraska-Lincoln. Seu primeiro romance, "Os Pescadores", em 2015, foi vencedor e finalista dos principais circuitos literários norte-americanos. Em 2019, ele lançou seu segundo livro, "Uma Orquestra de Minorias", narrado por um espírito ancestral. Com as duas obras, ele realça a subjetividade e as características da literatura lgbo.

Leituras: Os Pescadores e Uma Orquestra de Minorias.

Ondjaki (Angola)

O angolano, que nasceu em Luanda, é um nome conhecido no Brasil. Conhecido por seus romances infantis, contos e poemas, a obra completa dele reúne mais de 25 livros. Em 2010, recebeu o Prêmio Jabuti no infanto-juvenil, pelo livro "AvóDezanove e o Segredo do Soviético". O circuito brasileiro não é o único. Ele venceu mais de 10 prêmios na carreira, incluindo o Prêmio Literário José Saramago.

Leituras: AvóDezanove e o Segredo do Soviético, Os Transparentes e Quantas Madrugadas Tem A Noite.

Nadine Gordimer (África do Sul)

Vencedora do Nobel de Literatura, em 1991, a sul-americana Nadine Gordimer nasceu em Joanesburgo, em 1923, e morreu em 2014. Autora de mais de 30 obras, ela viveu dedicada a narrar as desigualdades sociais causadas pelo apartheid no seu país. Além do Nobel, venceu Prêmio Man Booker por "O Conservador", em 1974.

Leituras: O Conservador, A Filha do Burger e Um Capricho da Natureza.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Pai de Henry Borel vê 'estratégia' sobre relatos de supostas agressões sofridas por Monique
Caso Henry Borel

Pai de Henry Borel vê 'estratégia' sobre relatos de supostas agressões sofridas por Monique

Butantan pede à Anvisa autorização para início dos testes com a Butanvac, diz governo de São Paulo
Vacina

Butantan pede à Anvisa autorização para início dos testes com a Butanvac, diz governo de São Paulo