Saúde

Conitec recomenda incorporação de dois imunoterápicos para melanoma ao SUS

Os imunoterápicos têm revolucionado o tratamento de vários tipos de câncer por terem alta eficácia

Sistema Único de Saúde (SUS)Sistema Único de Saúde (SUS) - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Foi recomendada a incorporação à lista de tratamentos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) de dois medicamentos imunoterápicos contra câncer de pele do tipo melanoma, em estágio avançado não-cirúrgico e metastático. A decisão foi tomada em reunião da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), do Ministério da Saúde, na última quarta-feira (8).

Os imunoterápicos têm revolucionado o tratamento de vários tipos de câncer por terem alta eficácia, especialmente nos casos de melanoma e o câncer de pulmão. O melanoma é relativamente pouco frequente na população brasileira, com estimativa de 8.500 novos casos em 2020, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), mas é um dos tumores mais agressivos e com maiores chances de se disseminar pelo corpo –a chamada metástase.

Até agora, os únicos tratamentos disponíveis pelo SUS para melanoma metastático são o interferon e a quimioterapia, com importantes efeitos colaterais e pouca eficácia –menos de 20% dos pacientes apresentam resposta positiva a essas abordagens terapêuticas. As terapias modernas como a imunoterapia têm cerca de 60% de sucesso e possuem efeito mais duradouro, com potencial de cura.



Os medicamentos cuja incorporação foi aprovada são o nivolumabe e o pembrolizumabe, anticorpos que atuam contra o câncer removendo "freios" que o tumor usa para brecar a resposta imune. Ambos são da classe anti-PD1, em referência à molécula de superfície das células tumorais que é neutralizada. Um outro imunoterápico, o ipilimumabe, da classe anti-CTLA4, não foi recomendado para incorporação.

O pedido para incorporação dos imunoterápicos havia sido feito em novembro de 2019, incluindo também outra categoria de drogas antimelanoma, as terapias-alvo, que igualmente têm uma taxa de sucesso maior do que as terapias oferecidas pelo SUS. Uma decisão anterior da Conitec, em dezembro de 2019, não havia recomendado a incorporação de nenhuma das drogas, alegando uma baixa relação custo benefício. A nova decisão vem depois de esforço de sociedades médicas, especialistas, indústria e representantes de pacientes, em uma consulta pública aberta em janeiro deste ano. A liberação deixou de fora todas as terapias-alvo.

A partir da recomendação do Conitec, a próxima etapa será a incorporação dos medicamentos, que passam então a fazer parte das diretrizes terapêuticas do Ministério da Saúde. Após negociação de preço com as empresas farmacêuticas, importante para a análise do impacto orçamentário, o processo será encaminhado à Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde para aprovação. Só então passará a ser utilizado pelo SUS.

O custo anual do nivolumabe, estimado no relatório inicial da Conitec que recomendou a não incorporação, pode chegar a cerca de R$ 1,8 bilhão. No entanto, o valor pode variar muito. "Não é possível falar em números. Esse seria o preço de mercado do medicamento, sem levar em conta a negociação. Muitas vezes, o Estado acaba gastando mais com os tratamentos pagos via judicialização do que se incorporasse uma terapia mais eficiente", diz Renan Clara, diretor-executivo da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

Veja também

Senado da Bolívia aprova lei que fixa data limite para eleições
Mundo

Senado da Bolívia aprova lei que fixa data limite para eleições

Um dia após anúncio de vacina, Rússia altera dados sobre testes em base internacional

Um dia após anúncio de vacina, Rússia altera dados sobre testes em base internacional