Notícias

Construtoras e imobiliárias fazem apelo a candidatos

O grupo afirma que o país está diante de uma crise econômica sem precedentes e que precisa ser enfrentada com coragem e novos parâmetros

Trinta associações e sindicatos patronais de construtoras e imobiliárias assinaram o manifesto Trinta associações e sindicatos patronais de construtoras e imobiliárias assinaram o manifesto  - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

Trinta associações e sindicatos patronais de construtoras e imobiliárias assinaram um manifesto com 15 demandas aos candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Na carta, o grupo de associações afirma que o país está "diante de uma crise econômica sem precedentes, que precisa ser enfrentada com coragem e com novos parâmetros".

Para que o país "se torne uma nação desenvolvida, com equidade econômica e justiça social", ainda de acordo com o texto, o setor pede que o próximo presidente se atente a 15 pontos, que vão desde demandas liberais, como redução do tamanho do Estado e aumento das privatizações e das parcerias público-privadas, até preservação da liberdade de imprensa e "defesa firme e obstinada da democracia".

Leia também:
Empresas ingressam na Justiça para recuperar bilhões em PIS e Cofins
Justiça decide se construtora paga multa a dono do imóvel por atrasar entrega
Gigantes do mercado imobiliário recorrem ao Minha Casa Minha Vida
Economia não reagirá a curto prazo com novo presidente, avaliam especialistas
Mercado dá um ano para reforma da Previdência e quer mais mudanças trabalhistas


O "Manifesto pela Nação Brasileira" também pede manutenção das leis e de reformas que diminuam o peso do Estado e estimulem a economia, como a reforma trabalhista, o limite de gastos públicos, a terceirização e a regularização fundiária. A carta ainda faz um apelo aos brasileiros para que não fujam do "nosso compromisso cívico".

Veja também

Militares ucranianos de Azovstal receberam ordem de Kiev para deixar de combater
Ucrânia

Militares ucranianos de Azovstal receberam ordem de Kiev para deixar de combater

Rússia afirma que conquistou quase por completo a região de Lugansk
Guerra na Ucrânia

Rússia afirma que conquistou quase por completo a região de Lugansk