Mobilidade

Sindicato chama assembleia sobre concessão do Metrô do Recife e discute indicativo de paralisação

Categoria critica o processo, que prevê uma concessão de 30 anos

Metrô do Recife: gestão e operação sistema serão entregues à iniciativa privadaMetrô do Recife: gestão e operação sistema serão entregues à iniciativa privada - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Em reação à notícia do andamento do processo de entrega do Metrô do Recife à iniciativa privada, em uma concessão com prazo de 30 anos, o Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindmetro-PE) informou que vai exigir explicações do Governo do Estado e da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), entidade federal atualmente responsável pela gestão e operação do sistema. 

A categoria convocou uma assembleia extraordinária para a próxima quarta-feira (11) para discutir o tema. Segundo o Sindmetro-PE, também será colocado no debate um indicativo de paralisação.

A direção executiva do sindicato se reuniu na manhã de quinta-feira (5) para dar início à reação da categoria ao processo de concessão e deliberar sobre. 

Além da assembleia extraordinária, a entidade pretende realizar uma audiência com o governo estadual para pedir esclarecimentos, uma vez que, segundo o Sindmetro-PE, todas as sinalizações dadas pela gestão local indicavam que não seria aceito o repasse da companhia. 

O grupo também articula junto com um escritório de advocacia novas estratégias de ação para tentar barrar o processo de concessão

"Não vamos aceitar essa condição que foi colocada pela CBTU para todos os trabalhadores e trabalhadoras da nossa empresa", disse o presidente do Sindmetro-PE, Luiz Soares, em comunicado oficial divulgado pelo sindicato. 

A reportagem procurou a Secretaria de Planejamento e Gestão de Pernambuco (Seplag), pasta do governo responsável pelo projeto, e a CBTU e aguarda retornos.

Veja também

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta
Vacinação

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta

Economia cubana contraiu 1,9% em 2023 e encara "cenário complexo"
Cuba

Economia cubana contraiu 1,9% em 2023 e encara "cenário complexo"

Newsletter