A-A+

COP25: falta de ambição divide plenário de conferência

Negociações se prologaram por toda noite em busca de acordo

COP25 Chile COP25 Chile  - Foto: Sergio Perez/EBC

Mesmo com novos projetos de resolução trabalhados durante a noite e apresentados hoje (14) de manhã, o plenário da reunião do clima da Organização das Nações Unidas (ONU) continuava dividido, com União Europeia e países como o Brasil e México em desacordo com os textos.

Já em "tempo extra", depois de a 25ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas ter chegado ao seu último dia na sexta-feira (13), referências à ambição das metas nacionais e referências aos relatórios científicos levaram várias nações a manifestar "desconforto" e desacordo em relação aos textos em discussão.

A delegação da União Europeia declarou que as partes não podem sair de Madrid "sem uma forte mensagem de ambição".

 

Leia mais:  Divisões cada vez mais profundas na COP25 para alcançar um acordo climático
Geraldo Julio garante, na COP25, investimento de 300 mil euros para Parque Capibaribe

 

"É algo que, no exterior, esperam de nós, e nós temos que ouvir esse apelo", afirmou a porta-voz da delegação, defendendo que o projeto de declaração final "precisa de ser fortalecido e o nível de ambição tem que ser mais elevado".

A delegação mexicana notou também que no rascunho de resolução "não há referência a um dos feitos mais aplaudidos" da conferência: "a adoção de um novo plano de ação para o genero, que leve em conta os direitos humanos e os desafios que as comunidades locais e os povos indígenas enfrentam".

Do mesmo modo, a delegação do Belize assinalou que "esta era a COP da ambição, mas não se vê", acrescentando que "as referências à ciência foram enfraquecidas e todas as referências a reforçar as contribuições nacionais desapareceram".

O Brasil manifestou "profundo desconforto" com a inclusão no texto de uma proposta para aprofundar o debate sobre os efeitos das alterações climáticas em terra, entendendo que "não há razão para prosseguir esta discussão", que se debruça sobre gestão de florestas e outros temas.

"Queremos que se apague qualquer proposta nesse sentido, e não estamos sozinhos nessa posição", tratando-se de "uma linha vermelha" para a representação do Brasil e para países como a Argentina ou o Uruguai.

Arábia Saudita e Rússia manifestaram-se contra a posição brasileira, defendendo que não há razão para manter no texto referências aos efeitos do aquecimento global nos oceanos e retirar as que dizem respeito aos efeitos em terra.

Com o plenário novamente interrompido, foi dado tempo às delegações para estudarem e decidirem sobre um novo texto que se refere à aplicação do artigo 6 do Acordo de Paris para limitar o aquecimento global, que será novamente analisado numa reunião que não tem, para já, fim à vista.

Veja também

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar