Vacinas

CoronaVac deve ser usada apenas em pessoas de 5 a 18 anos, diz Queiroga

Segundo o ministro da saúde, em países desenvolvidos a vacina não é utilizada nas duas primeiras doses

A vacina é a mesma utilizada atualmente na imunização de adultos, sem nenhum tipo de adaptação para uma versão pediátrica.A vacina é a mesma utilizada atualmente na imunização de adultos, sem nenhum tipo de adaptação para uma versão pediátrica. - Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

Leia também

• Convivência com a Covid-19 é tema do Canal Saúde

• Pernambuco registra seis mortes e 206 casos de Covid-19 nas últimas 24h

• Infectologista Filipe Prohaska repercute o fim da emergência da Covid no Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira que a vacina CoronaVac deve ser usada apenas na faixa etária de 5 a 18 anos. Ele argumentou que em países desenvolvidos o imunizante não é usado em esquemas primários de vacinação, ou seja, nas duas primeiras doses. 

Queiroga detalhou nesta segunda-feira os motivos para declarar o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), anunciado por ele no domingo. Neste contexto, o ministro falou sobre a autorização emergencial de vacinas e medicamentos.

A regra atual condiciona a autorização emergencial à vigência da Espin. Na semana passada, o Ministério da Saúde pediu à Anvisa que prorrogue por um ano a partir da queda da emergência em saúde o prazo para que a autorização emergencial continue valendo. A Diretoria Colegiada da agência decidirá sobre o tema.

— Mais de um ano após (a primeira aplicação) ainda não se conseguiu colecionar evidências científicas suficientes para que esse imunizante tivesse o registro definitivo. Com isso eu quero dizer que para o esquema vacinal primário em adultos esse imunizante, penso que é um consenso nos países que têm agências regulatórias do porte da Anvisa, que são os países mais desenvolvidos, não é utilizado —  afirmou Queiroga sobre a CoronaVac, complementando:

— Ele pode ser usado no esquema vacinal primário aqui no Brasil na faixa etária compreendida entre 5 e 18 anos. Esse registro emergencial o Ministério da Saúde pleiteou à Anvisa que mantivesse o registro, claro que é uma decisão da agência regulatória. Se a Anvisa autorizar e atender ao pleito do ministério, essa vacina pode ser usada em crianças e adolescentes. Como dose de reforço, essa vacina também não tem evidências científicas. 

Embora o Ministério da Saúde oriente a vacinação nacionalmente, os estados têm prerrogativa para adotar suas próprias estratégias, como tem ocorrido com o estado de São Paulo ao longo da pandemia. A pasta pede, no entanto, que as diretrizes nacionais sejam seguidas para não causar atropelos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19.

A portaria do governo para finalizar a emergência em saúde deve ser publicada até o fim da semana. A medida entrará em vigor 30 dias após a publicação. O prazo é uma maneira de dar tempo a estados e municípios para organizarem normas que sejam atreladas à Espin, de modo que a derrubada da emergência não cause problemas à gestão pública.

O presidente vinha pressionando o ministro da saúde para decretar o que Bolsonaro chama equivocadamente de "fim da pandemia". O governo tem prerrogativa apenas para declarar o fim da emergência em saúde já que cabe à Organização Mundial de Saúde (OMS) o término da pandemia global.

Internamente, a decisão de Queiroga gerou controvérsia entre técnicos da pasta, que consideraram precipitado o término da Espin.

Veja também

"Mudança e futuro", a esperança se destaca na oposição da Venezuela
eleições

"Mudança e futuro", a esperança se destaca na oposição da Venezuela

Presidente do México critica Tesla por adiar construção de fábrica no país
empresas

Presidente do México critica Tesla por adiar construção de fábrica no país

Newsletter