Coronavírus obriga a evacuação de porta-aviões americano no Pacífico

Na semana passada, três pessoas da tripulação receberam o diagnóstico do novo coronavírus

Soldado norte-americano em base dos EUA no Quênia em foto de agosto Soldado norte-americano em base dos EUA no Quênia em foto de agosto  - Foto: Lexie West/US Air Force/AFP

Símbolo máximo do poderio militar dos Estados Unidos, um porta-aviões do país começou a evacuar sua tripulação devido a um surto de coronavírus a bordo.

O USS Theodore Roosevelt está ancorado em Guam, ilha americana que fica na Micronésia, no Oceano Pacífico, e serve de posto militar avançado de Washington para ações em toda a estratégica região.

Na semana passada, três pessoas da tripulação receberam o diagnóstico do novo coronavírus. Não está claro onde elas pegaram o patógeno, mas na quarta (1º), já eram 93 os contaminados, e outros 1.273 testes esperavam resultado.

O gigantesco navio tem cerca de 4.800 tripulantes. Na terça, seu capitão, Brett Crozier, fez um apelo desesperado ao comando da Marinha americana para que pudesse desembarcar o máximo possível de tripulantes.

Leia também:
Novo coronavírus traz novos desafios para cuidadores de idosos
Apesar de erros, China terá ganho geopolítico com crise de coronavírus, diz professor 

Foi punido por isso. Nesta quinta (2), a Marinha o dispensou do comando por ter permitido o vazamento do conteúdo de sua carta ao comando, no qual acusava a falta de preocupação dos militares com os tripulantes.

Na quarta, mil marinheiros e marinheiras já estavam em solo, isolados em quarentena de 14 dias em hotéis da ilha.

Os doentes foram para hospitais. Eles são quase 10% do total de militares americanos afetados pela Covid-19: 813.

As Forças Armadas do país têm 1,4 milhão de pessoas.

O plano é evacuar mais 2.700 pessoas, deixando um contingente de cerca de 1.000 para manter as funções básicas do navio –a começar pelo seus dois reatores nucleares, que o permitem navegar sem limite de autonomia pelo mundo.

O incidente é simbólico. Enquanto navios de cruzeiro têm tido problemas no mundo todo para poder aportar com suspeitos de portar o coronavírus, como é o atual caso do MS Zaandam na costa panamenha, essa é a baixa mais poderosa simbolicamente entre forças militares.

É sua frota de 11 porta-aviões que garante aos EUA a capacidade única de projetar poder em qualquer canto do mundo.

Dez dos navios são da classe Nimitz, a mesma do Theodore Roosevelt. Lançado ao mar em 1984, ele transporta até 90 aviões e helicópteros. Participou da guerra do Golfo de 1991 e da intervenção no Afeganistão em 2001.

Seu apelido é "Big Stick", o grande porrete em inglês, em homenagem à política externa preconizada pelo presidente do início do século 20 que lhe empresta o nome.

Nunca sofreu danos em combate, embora em 1996 tenha sido abalroado por um cruzador americano numa manobra desastrada.

A última perda em combate de um porta-aviões americano foi em 1944, na Segunda Guerra Mundial. O vírus, contudo, colocou o gigante na lona sem precisar atirar.

Isso leva a evidentes preocupações em todas as Marinhas do mundo, a começar pela americana, a mais poderosa, com 121 navios de combate principais e 67 submarinos. A Força tem 337 mil militares espalhados pelo mundo.

No Brasil, que não tem operações navais comparáveis com o de grandes potências como os EUA, a Marinha não suspendeu ações. Não há nenhum grande treinamento em curso, e serviços como salvamento aeronaval prosseguem normalmente.

O Centro de Comunicação Social da Força afirma que mantém protocolos rígidos de segurança sanitária nas embarcações e com o seu pessoal em terra.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Plaza Shopping tem ação para descarte de óleo de cozinha usado
Responsabilidade socioambiental

Plaza Shopping tem ação para descarte de óleo de cozinha usado

Auditoria cita montagem, e gestão Bolsonaro encaminha anulação de contrato da Covaxin alvo de CPI
CPI DA COVID

Auditoria cita montagem, e governo encaminha anulação de contrato da Covaxin alvo de CPI