Coronavírus

Covid-19: começa terceira etapa de estudo epidemiológico em Fernando de Noronha

Ilha volta a receber visitantes em 10 de outubro

Fernando de NoronhaFernando de Noronha - Foto: Ministério do Meio Ambiente/Divulgação

Prestes a reabrir para todos os turistas, inclusive os que não foram infectados pela Covid-19, como previa o protocolo inicial de retomada, Fernando de Noronha deu início, esta semana, à terceira fase do estudo epidemiológico da Covid-19. Com uma série de protocolos, a ilha volta a receber visitantes em 10 de outubro, às vésperas do feriadão de Nossa Senhora Aparecida.

Nesta etapa, são aplicados questionários aos moradores que fazem parte da pesquisa. Pesquisadores, agentes comunitários e de endemia, integrantes da Saúde e da Educação da Ilha participam do trabalho. O estudo epidemiológico em Noronha teve início em maio. A pesquisa avalia a presença e a circulação do novo coronavírus na ilha, além de orientar ações de vigilância e controle da Covid.

Cerca de 900 moradores de diversas faixas etárias e de todas as regiões de Noronha participam da pesquisa. Os participantes são entrevistados pelos pesquisadores e fazem testes para detecção do vírus, em todas as fases do estudo. De acordo com o protocolo, são realizados dois tipos de exames: o RT-PCR, considerado padrão-ouro para detectar a Covid-19, e o teste sorológico.
 


“Neste momento de retomada do turismo na ilha, a colaboração da população que participa da pesquisa é essencial para que a comunidade continue sendo monitorada e acompanhada, e possa retomar as atividades econômicas e sociais na ilha com segurança”, diz Fernando Magalhães, superintendente de Saúde de Fernando de Noronha.

Estudo
Nas duas primeiras etapas do estudo foram realizados mais de 1,7 mil testes, o que representa mais de um terço da população da ilha. Na primeira fase, 42 casos positivos foram identificados. 

Na segunda fase, a pesquisa encontrou mais quatro casos, todos já curados, com anticorpos para a Covid, diagnosticados a partir do exame sorológico rápido. Todos os exames do tipo RT-PCR realizados na segunda fase foram negativos. As evidências apontadas pelo estudo sugerem, portanto, que a transmissão comunitária do vírus em Noronha foi cessada. 

“Se considerarmos os exames realizados pela equipe de vigilância em saúde da ilha e os exames da pesquisa, se Fernando de Noronha fosse um país isolado, estaria entre os seis do mundo que mais testa sua população por RT-PCR, de acordo com os parâmetros estabelecidos pelo site worldometer, que monitora a realização de exames na população de todo o mundo”, comenta Regina Brizolara, tecnologista na área de doenças transmissíveis, especialista da Secretaria Estadual de Saúde.

Aprovado na Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), o estudo foi distribuído em cinco fases. A quarta e quinta fases do estudo epidemiológico vão acontecer em maio e novembro de 2021.

Coronavírus em Fernando de Noronha
De acordo com o último boletim de Covid-19 divulgado pela Administração de Fernando de Noronha, nessa terça-feira (29), a ilha contabiliza 74 casos locais e 45 casos importados - aqueles de pacientes que entram na ilha e são diagnosticados com a doença.

Do total de 119 casos, todos estão recuperados clinicamente. Noronha não registrou, até o momento, nenhuma morte pelo novo coronavírus.

Outros 49 casos, cujas amostras foram encaminhadas para o Recife para análise, estão sob investigação. Os pacientes são passageiros que desembarcaram em Noronha no último sábado (26). 

 

Veja também

Reino Unido é o primeiro país europeu a superar marca de 100 mil mortes por Covid-19
Coronavírus

Reino Unido é o primeiro país europeu a superar marca de 100 mil mortes por Covid-19

Bolsonaro se vangloria de número de vacinados e agora defende imunização 'para a economia funcionar'
Presidente

Bolsonaro se vangloria de número de vacinados e agora defende imunização 'para a economia funcionar'