Covid-19: ministério consolida orientações para prevenção e tratamento

Texto traz recomendações, como lavar as mãos com desinfetante e álcool

Álcool em gelÁlcool em gel - Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O Ministério da Saúde consolidou as orientações sobre prevenção e tratamento no guia Diretrizes para Diagnóstico e Tratamento da Covid-19. O documento, de quase 400 páginas, reúne as orientações do órgão para as formas de combate à pandemia e deve ser atualizado periodicamente para refletir a evolução da avaliação da pasta sobre o tema. No Brasil foram registradas 800 mortes pela Covid-19.

O texto reafirma recomendações já conhecidas, como lavar as mãos com desinfetante e álcool 70%, praticar etiqueta respiratória (como cobrir espirros) e evitar contato com outras pessoas como medidas gerais de prevenção. O documento também recoloca a indicação de procurar atendimento médico se a pessoa apresentar sintomas como febre, tosse e dificuldade de respirar.

Sobre o uso de máscaras, o guia pondera que não há consenso. A Organização Mundial de Saúde (OMS) não sugere o emprego deste recurso para pessoas assintomáticas. Ele indica essa medida para profissionais de saúde e pessoas com sintomas, enquanto o restante da população pode utilizar máscaras de pano como barreira física, mantendo o cuidado de higienizar as mãos antes e após a remoção.

Leia também:
Núcleo duro do Ministério da Saúde diz que se Mandetta sair, sai junto
David Uip não diz se usou cloroquina em seu tratamento

Isolamento
O isolamento deve ser feito por pessoas com diagnóstico de síndrome gripal, que deverá durar 14 dias, o que inclui qualquer sintoma respiratório, com ou sem febre. Contudo, para o diagnóstico da Covid-19 e procedimentos recomendados, como a procura de atendimento médico, é preciso que o paciente tenha entre os sintomas a febre.

O isolamento vale também para os contatos familiares ou pessoas que moram com o paciente que apresentar os sintomas. Em ambos os casos, o médico deve fornecer atestado médico no período de 14 dias.

O documento reitera que até o momento não há vacina para tratar a Covid-19, mas lembra a importância de manter o calendário das vacinas para outras síndromes em dia. É o caso, por exemplo, da campanha em curso de imunização contra a influenza.

Além disso, são colocados protocolos de como os pacientes devem ser tratados no âmbito do ambiente hospitalar, bem como diretrizes aos profissionais de saúde, como o emprego de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), formas de lidar com insumos médicos e equipamentos (como ventiladores e respiradores) de modo a evitar a transmissão do vírus nas unidades de saúde.

Entre os protocolos estão os que orientam as definições dos tipos de caso, como suspeito, confirmado, descartado e excluído. Para isso, são apresentadas diferentes combinações dos sintomas, classificados entre mais comuns (febre, tosse, cansaço e mialgia) e menos comuns (anorexia, produção de escarro, dor de garganta, confusão, dor de cabeça, dor no peito, diarreia e náusea, entre outros).

Entre os procedimentos estão também as investigações em caso de internação de paciente suspeito de Covid-19, como: oximetria de pulso, marcadores inflamatórios e teste de laboratório para verificar se é o novo coronavírus (RT-PCR). São abordados também os métodos de triagem e as normas para lidar com fatores de risco dos pacientes, como cardiopatias, diabetes ou pneumopatias.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Bruno Covas segue internado sem previsão de alta, dizem médicos
Câncer

Bruno Covas segue internado sem previsão de alta, dizem médicos