COVID-19

Covid-19: o vírus se espalha mais rapidamente no ambiente das academias, mostra estudo

Um novo trabalho descobriu que praticantes de exercícios exalam um número alto de pequenas partículas de aerossol quando estão em atividades intensas

Treino em academiaTreino em academia - Foto: Divulgação

Muitas academias e estúdios de atividades físicas voltaram a funcionar e encher novamente. Isso se deve ao fato de que as pessoas estavam ansiosas para retornarem as suas rotinas e ao convívio social, além de entrar em forma para o verão, ao mesmo tempo em que novas variantes do Ômicron estão aumentando as infecções por Covid. Então, é realmente seguro voltar para a academia?

Quantas partículas microscópicas de aerossol os outros ciclistas da sua aula de spinning estão respirando na sala? Quantas estão circulando entre os corredores na esteira? Um estudo sobre respiração e exercício publicado pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences, na segunda-feira (23), fornece algumas respostas surpreendentes.

A pesquisa analisou o número de partículas de aerossol que 16 pessoas exalaram em repouso e durante a execução dos treinos. Esses minúsculos pedaços de matéria transportada pelo ar – medindo apenas algumas centenas de micrômetros de diâmetro, ou aproximadamente a largura de um fio de cabelo, e suspensos em névoa de nossos pulmões – podem transmitir coronavírus se alguém estiver infectado.
 

O estudo descobriu que, em repouso, os homens e mulheres expiravam cerca de 500 partículas por minuto. Mas quando eles se exercitaram, esse total aumentou 132 vezes, chegando a mais de 76.000 partículas por minuto, em média, durante o esforço mais exaustivo.

Essas descobertas ajudam a explicar por que vários eventos notáveis de alta disseminação do Covid desde 2020 ocorreram em aulas de ginástica, reacendendo as preocupações de algumas pessoas sobre os atividades esportivas praticadas em locais, já que os casos de Covid-19 aumentam novamente em grande parte do país e levantam questões sobre a melhor forma de reduzir os riscos de exposição quando nos exercitamos.

Em geral, aglomerar corpos que respiram com dificuldade em espaços fechados é uma prática ruim e que não ajuda a conter a transmissão do Covid-19 ou de outras doenças respiratórias. Em 2020, 54 sul-coreanos desenvolveram Covid após aulas de zumba com instrutores infectados e depois passaram para familiares e conhecidos. Mais tarde naquele ano, todos os 10 membros de uma aula de spinning no Havaí ministrada por um instrutor infectado deram positivo depois, assim como outros 11 que entraram em contato próximo com um dos membros da turma, um personal trainer e instrutor de kickboxing.

Os cientistas que investigam esses e outros surtos semelhantes especularam que a ventilação inadequada e as altas taxas de respiração entre os praticantes de exercícios contribuíram para a propagação do coronavírus nos ginásios afetados. Mas os cientistas só podiam supor até que ponto o exercício aumentou os níveis de partículas no ar das áreas de ginástica. Medir com precisão o aumento das partículas flutuantes durante o exercício é difícil.

Assim, para o novo estudo, um grupo de cientistas do exercício e pesquisadores de dinâmica de fluidos na Alemanha desenvolveu uma nova maneira de medir a emissão de aerossóis, usando uma bicicleta ergométrica e um ciclista dentro de uma barraca hermética. Os ciclistas usavam máscaras de silicone que capturavam suas respirações exaladas, enviando o ar através de tubos para uma máquina que contava cada partícula à medida que o tempo passava.

Os pesquisadores primeiro mediram a produção de partículas das pessoas enquanto elas estavam sentadas e depois enquanto andavam em um ritmo cada vez mais acelerado, até que estivessem exaustas demais para continuar. As partículas foram contadas constantemente.

Os cientistas esperavam que a produção de aerossol dos praticantes crescesse, à medida que a intensidade aumentasse. Todos nós respiramos mais fundo e mais rápido quando nos exercitamos mais. Mas a extensão do aumento surpreendeu os pesquisadores, disse Henning Wackerhage, professor de biologia do exercício na Universidade Técnica de Munique e autor sênior do novo estudo.

O aumento nas emissões de aerossol começou moderadamente, conforme os ciclistas se aqueciam e começavam a pedalar com mais força. Mas quando eles atingiram um limite no qual seu exercício se tornou visivelmente mais pesado – quando uma corrida se torna uma corrida ou uma aula de spinning muda para intervalos – o aumento das emissões se tornou exponencial. Os pilotos começaram a respirar cerca de 10 vezes mais ar por minuto do que em repouso, enquanto o número de partículas por minuto aumentou mais de 100 vezes conforme os pilotos se aproximavam da exaustão, variando consideravelmente de pessoa para pessoa.

— O estudo fornece dados mecanicistas para comprovar a suposição de que se exercitar em ambientes fechados é uma atividade de maior risco quando se trata de transmissão do Covid-19 do que fazer exercícios ao ar livre — disse Linsey Marr, professora de engenharia civil e ambiental da Virginia Tech e especialista em transmissão aérea de vírus.

Mas esses riscos podem ser reduzidos. “Boa ventilação e troca de ar são uma ótima maneira de reduzir o risco de transmissão”, aconselha Chris Cappa, professor de engenharia civil e ambiental da Universidade da Califórnia, Davis, e especialista em dinâmica do fluxo de ar.

— Janelas abertas, especialmente com ventiladores, muitas vezes podem ser tão eficazes quanto os sistemas de ventilação ativos — disse o especialista. Se as janelas da sua academia estiverem fechadas, peça ao gerente para abri-las e aumentar o volume dos ventiladores. Se o clima estiver sufocante e o ar condicionado for necessário, certifique-se de que as salas da sua academia recebam ar de fora, para que entre ar frescos e circule eliminando os aerossóis presente no ambiente.

— O distanciamento social de um metro e oitenta ou mais é sempre importante — disse Mutsch. Mas pode não ser suficiente durante as exaustivas aulas de ginástica em ambientes fechados. O novo estudo não rastreou para onde as partículas de aerossol dos ciclistas fluíram, mas é provável que elas fluam bem mais de um metro e oitenta, segundo Mutsch. Portanto, mantenha pelo menos 8 a 10 pés de distância durante os treinos e prefira salas grandes e turmas pequenas.

— Se houver aulas consecutivas de exercícios, parte do ar daquela primeira aula será transferida para a segunda — disse Cappa. Certifique-se de que haja intervalos de pelo menos 15 e de preferência 30 minutos entre as sessões, para permitir que dê tempo do ar circular.

As máscaras também são boas aliadas. — As máscaras respiratórias reduzem as emissões de aerossóis — disse o Dr. Wackerhage. Se você achar desconfortável uma máscara N95 apertada durante exercícios intensos, “sugiro usar uma boa máscara cirúrgica”, disse Cappa, que pode parecer um pouco menos constritiva e úmida.

Por fim, verifique a incidência do Covid-19 na sua região. — Quanto mais altas as taxas de casos locais — disse Cappa — mais provável é que uma pessoa infectada esteja na aula com você — acrescentou. Se as taxas estiverem subindo, talvez pedale, corra ou caminhe ao ar livre até que os casos diminuam.

Mas continue se movendo. A especialista Marr diz que este estudo é mais um incentivo para garantir uma ótima ventilação e nenhuma aglomeração nas academias. E que isso não é motivo para pular os treinos. “Existem tantos benefícios em se exercitar”, disse ela, “que continuarei fazendo isso na minha academia bem ventilada e sem aglomeração”.

Veja também

Os possíveis candidatos para substituir Boris Johnson
Reino Unido

Os possíveis candidatos para substituir Boris Johnson

Boris Johnson, três anos turbulentos no poder
Reino Unido

Boris Johnson, três anos turbulentos no poder