Notícias

Crachás humanizados aproximam profissionais e pacientes no Recife

Iniciativa visa mostrar o sorriso dos profissionais, escondidos por trás das máscaras e protetores faciais

Médicas com crachás humanizados em hospital de campanha do RecifeMédicas com crachás humanizados em hospital de campanha do Recife - Foto: Cortesia/Prefeitura do Recife

Ninguém imagina o quanto pode ser gratificante para um paciente com Covid-19 ver a foto do médico estampada no seu avental, nos hospitais de campanha da Prefeitura do Recife. Como forma de mostrar aos pacientes o sorriso dos profissionais que fica escondido por trás da máscara e do protetor facial, um grupo de médicos do Hospital Provisório Recife (HPR) 2, localizado nos Coelhos, criou crachás humanizados, com fotos deles sorridentes, para quebrar o gelo e a distância impostos pelo uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

“Quando você está dentro do hospital, todo paramentado, o paciente não consegue lhe identificar; nos despersonificamos. Os crachás humanizados nos aproximam dos pacientes”, disse a cardiologista Valéria Lafayette, que teve a ideia junto com a geriatra Lilian Karine Neves.

Para Lilian, a aparência física é o cartão de visita. “Quando o paciente identifica o profissional que está prestando aquele cuidado, isso traz uma humanização, ele já fica mais confiante. Como médicos, nem sempre conseguimos curar os pacientes, mas sempre cuidamos e podemos aliviar os sofrimentos físico e psicológico com esse olhar diferenciado”, defendeu a geriatra e paliativista, que inicialmente colava no avental adesivos com o nome dela e frases de estímulo aos pacientes.

O Hospital Provisório Recife 2 é o maior dos sete hospitais de campanha construídos pela Prefeitura do Recife. Nele, atualmente estão funcionando 259 leitos, com 126 pacientes internados nesta terça-feira (2), sendo 30 em regime de terapia intensiva (UTI).

Veja também

Brasil registra 16.194 novos casos de Covid-19 e 35 mortes em 24 horas
Pandemia

Brasil registra 16.194 novos casos de Covid-19 e 35 mortes em 24 horas

Marcha da maconha retorna às ruas depois de dois anos de pandemia
Manifesto

Marcha da maconha retorna às ruas depois de dois anos de pandemia