Crédito fica mais barato para financiar estandes na 21ª Fenearte

A redução foi de 2% ao mês (a.m) para 1,49% a.m e o prazo para pagamento aumentou para nove meses

Crédito facilitado para artesão na Fenearte Crédito facilitado para artesão na Fenearte  - Foto: José Britto/Folha de Pernambuco

Em uma ação conjunta do Governo do Estado, através da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper) e da Agência de Empreendedorismo de Pernambuco (AGE), os artesãos que vão participar da 21ª Fenearte terão uma facilidade.

É que a linha de crédito para quem participa da Feira, já conhecida pelos artesãos, foi reduzida de 2% ao mês (a.m) para 1,49% a.m. O valor é usado para financiar os estandes e o prazo para pagamento, aumentou de cinco para nove meses.

De acordo com o presidente da AGE, Marcelo Barros, a linha de crédito existe desde 2015. “Este ano a gente atendeu a reivindicação dos artesãos e ampliou o prazo para nove meses para financiar os estandes, tanto de artesanato como alimentação. Os valores para pegar o crédito varia conforme o tamanho do estande”, detalha.

Outra oportunidade que os artesãos podem utilizar é o Crédito Popular. “São duas linhas de crédito. Mas o Crédito Popular pode ser utilizado para todos os negócios, com limite de até R$ 3 mil e taxa de 1,49% a.m”, explica Barros dizendo que para este Crédito Popular o prazo é de até 12 meses. De 2015 até o ano passado, foram financiados quase 894 estandes, beneficiando cerca de 2,8 mil artesãos e movimentando cerca de R$ 3 milhões.

Leia também: 
Taxa de juros do crédito para as famílias e empresas cai em setembro
Há R$ 200 milhões em crédito para micros e pequenos empresários, diz o ministro de Turismo


“Ou seja, o artesão pode pedir uma linha para o estande e ainda pode pedir no Crédito Popular para aquisição de matéria prima e ferramentas, caso tenha o cadastro aprovado para os dois financiamentos com a mesma taxa”, detalha o presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima.

“A Fenearte consolida-se como o maior evento da América Latina, com objetivo de valorizar e difundir saberes tradicionais, a cultura popular pernambucana, estimulando o potencial de crescimento dos artesãos e artesãs; além de funcionar como fundamental elemento estruturador da cadeia produtiva do artesanato local”, explica Márcia Souto, coordenadora geral da Feira.

Veja também

Impacto da pandemia na educação será mais grave do que o esperado, apontam ONU e Banco MundialCoronavírus

Impacto da pandemia na educação será mais grave do que o esperado, apontam ONU e Banco Mundial

Crianças participam de 'plenarinha' para elaboração do Plano Municipal pela Primeira InfânciaEducação

Crianças participam de 'plenarinha' para elaboração do Plano Municipal pela Primeira Infância