Crescem os casos de sífilis em Pernambuco

"Prevenção se traduz em uso sistemático e recorrente da camisinha”, destacou François Figueroa

Orquestra Pró-CriançaOrquestra Pró-Criança - Foto: Crédito: José Domingos/Divulgação

Celebrado todo terceiro sábado de outubro, o dia internacional de combate à sífilis, doença infectocontagiosa transmitida principalmente por meio de relações sexuais, traz a tona a importância de prevenção à doença, que geralmente age de forma silenciosa. A data além de incentivar homens e mulheres a realizarem os testes para diagnosticar a sífilis, que também é transmitida de forma vertical (da mãe para o filho) e sanguínea, alerta para importância de se prevenir.

Nesta sexta-feira (14), o Governo do Estado lançou uma campanha de conscientização nos ônibus e realizou uma ação na Estação Central do Metrô. No local, técnicos do Programa Estadual de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST/Aids) distribuíram 25 mil camisinhas masculinas e 5 mil femininas, além disso foram entregues panfletos informativos aos passageiros.

“Toda população sexualmente ativa tem que estar pensando em prevenção e prevenção se traduz em uso sistemático e recorrente da camisinha”, destacou o coordenador do Programa de IST/Aids, François Figueroa.

Em 2015, foram notificados no Estado de Pernambuco 1.220 mil casos de sífilis adquirida, 858 de sífilis em gestantes e diagnosticados 1.171 de sífilis congênita (transmitida para o bebê ainda na barriga da mãe). Os dados de 2016 ainda não foram divulgados, mas a expectativa de acordo com o Ministério da Saúde é que as notificações de sífilis em gestantes cheguem a quase 42 mil casos em todo o País, enquanto as infecções por sífilis congênita devem superar 22 mil casos entre menores de 1 ano.

A estimativa é que em Pernambuco a doença também tenha sofrido um aumento este ano. O coordenador do Programa de IST/Aids, François Figueroa, comentou que já tem se notado um crescimento dos casos no Estado. “O número de casos tem aumentado porque de fato tem crescido a transmissão, mas também porque o diagnóstico está sendo mais disseminado na rede. É importante tomar a consciência que a sífilis ainda é um problema de saúde pública e que precisamos unir esforços para o enfrentamento dessa infecção, por isso a necessidade de informar a população sobre o assunto e incentivar o uso da camisinha”, explicou. Em casos de contágio, qualquer Unidade Básica de Saúde pode oferecer o teste rápido da sífilis e encaminhar o paciente para o acesso ao exame de coleta que monitora o tratamento da sífilis. A doença tem cura e o tratamento é simples e está disponível gratuitamente pelo SUS. Tanto a gestante, quanto o parceiro precisam fazer o tratamento completo para evitar a transmissão para a criança. Depois de detectada a sífilis pode ser eliminada já na 3ª dose do tratamento.

Veja também

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista
Coronavírus

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria