RIO DE JANEIRO

Criança tem início de tratamento contra câncer raro adiado por falta de catéter no Inca

Instituto Nacional de Câncer diz que vai realizar terceira tentativa de comprar o equipamento no início de julho

Eloah Coelho FerreiraEloah Coelho Ferreira - Foto: arquivo da família

Em maio, a pequena Eloah Coelho Ferreira, de 4 anos, foi diagnosticada com retinoblastoma, um tipo raro de câncer, no olho direito. Após a descoberta da doença, a família deu início a uma corrida em busca da cura e dos procedimentos necessários para salvar a visão da menina. O caminho natural foi procurar o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Tudo parecia ir bem, com a primeira sessão de quimioterapia marcada para o dia 7 de junho. Após viajar quase 350 quilômetros — de Porciúncula, no Noroeste do Rio de Janeiro, onde vivem, ao Rio — os familiares de Eloah foram surpreendidos com a notícia de que o procedimento não poderia ser realizado. O motivo: falta de um catéter de quimioterapia arterial.

— Protocolamos pedido de informação na ouvidoria desde o dia 6 de junho, mas não tivemos qualquer resposta até agora. A gente fica sem saber de nada, sem chão. Para todo setor que a gente liga é sempre a mesma resposta, parece que eles foram instruídos a falarem a mesma coisa, que estão resolvendo, que tem que aguardar. É isso que me deixa mais em pânico — disse Ana Carolina Vicente Coelho da Silva, mãe de Eloah.

Procurado pelo Globo, o Inca informou, por meio de nota, que uma licitação para compra de 25 catéteres de quimioterapia arterial está marcada para os primeiros dias de julho. Segundo o instituto, essa é a “a terceira tentativa de compra, em 2023, do material de alto custo e que é usado para tratamento em crianças acometidas pelo retinoblastoma”.

A primeira tentativa de compra do catéter ocorreu em fevereiro e não foi concluída por motivos burocráticos não especificados. Na segunda tentativa, em abril, não apareceram empresas interessadas em fornecer o material. A direção do instituto informou ainda que o último procedimento usando o material ainda disponível foi realizado em maio, em paciente pediátrico.

A incerteza sobre quando será possível iniciar o tratamento de Eloah levou a família a propor ao hospital comprar e doar o equipamento, que é importado.

— Eu já não sei mais o que fazer, estamos tentando manter a calma, mas é muito difícil. A gente consegue o dinheiro pro cateter, entendo que pra eles comprar é mais burocrático. Só não é possível que a burocracia vai ficar acima de uma vida —diz Ana Carolina.

De acordo com o Inca, a “direção geral do Instituto não descarta a aquisição particular de materiais - ainda que não seja a prática do INCA - diante da situação crítica e por princípios humanitários”. O instituto, no entanto, não especificou se autorizará a tentativa de compra e doação do equipamento por parte da família de Eloah.

O retinoblastoma de Eloah foi descoberto após seus pais notarem certo grau de estrabismo na menina.

— Notamos o estrabismo e passamos a observar muito o olho dela. Uns três dias depois eu vi o reflexo de “olho de gato” nela e procurei imediatamente um oftalmologista — conta Ana Carolina.

No site do Inca, a página sobre retinoblastoma informa que “a principal manifestação é um reflexo brilhante no olho doente, parecido com o brilho que apresentam os olhos de um gato quando iluminados à noite. As crianças podem ainda ficar estrábicas (vesgas), ter dor e inchaço nos olhos ou perder a visão”.

Ainda de acordo com o site do instituto, o retinoblastoma ocorre principalmente em crianças pequenas, com 95% dos casos sendo diagnosticados antes dos cinco anos de idade.

Em 2021, os apresentadores e jornalistas Tiago Leifert e Daiana Garbin receberam o diagnóstico do retinoblastoma da filha, Lua, então com 11 meses. No caso dela, a doença atingiu os dois olhos. Para chamar a atenção para o problema o casal criou um projeto chamado “De Olho nos Olhinhos", que teve dia de mobilização em 17 de setembro do ano passado.

— Esse desejo surgiu porque no caso da Lua descobrimos quase tarde demais. Os médicos dividem a retinoblastoma em graus de A ao E, sendo A o menor e o E, maior e pior localizado. A Lua tinha o câncer nos dois olhos e no estágio E. Se uma família chegar no hospital por conta do que falamos publicamente, por conta de nosso projeto, em um estágio menor do que o da Lua, já valeu para mim. Esse evento é uma declaração de guerra, não queremos que essa doença faça mais nenhuma família chorar — disse Tiago Leifert, em entrevista ao Globo na época.

De acordo com Ana Carolina, a angústia da família em inciar logo o tratamento é ainda maior pelo fato de Eloah ter sido diagnosticada com o grau D da doença.

— É uma corrida contra o tempo, não podemos esperar. Temos esperança de que ela seja curada e tenha sua visão preservada, mas cada dia que passa podemos estar perdendo essa chance — lamenta a mãe.

Leia abaixo a íntegra da nota do INCA

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) esclarece que a nova licitação para a aquisição de 25 cateteres de quimioterapia arterial está marcada para os primeiros dias de julho. Essa é a terceira tentativa de compra, em 2023, do material de alto custo e que é usado para tratamento em crianças acometidas pelo retinoblastoma.

A primeira tentativa, neste ano, se deu em fevereiro, quando licitação não foi possível de ser realizada por problema burocrático que independeram do INCA. Em abril, o Instituto realizou uma segunda tentativa em caráter regular, quando não apareceram concorrentes.

O INCA reforça que busca retomar o mais rápido possível os estoques do catéter, que foi utilizado pela última vez durante uma aplicação em um paciente pediátrico em maio.

A direção geral do Instituto não descarta a aquisição particular de materiais - ainda que não seja a prática do INCA - diante da situação crítica e por princípios humanitários. O INCA estuda todas as possibilidades dentro dos preceitos legais para realizar o mais rápido possível o tratamento dos pacientes.

Veja também

Explosão em café deixa cinco mortos na capital da Somália
ATENTADO

Explosão em café deixa cinco mortos na capital da Somália

Militantes fazem ato esvaziado contra Lula e Moraes e com exaltação a Trump
MANIFESTAÇÃO

Militantes fazem ato esvaziado contra Lula e Moraes e com exaltação a Trump

Newsletter