Crianças de escola de Rio Doce têm uma manhã nas nuvens, sobre o litoral Norte da RMR

Dez alunos da escola Nova Esperança tiveram a oportunidade de ter a experiência do voo pela primeira vez

Dez crianças da escola Nova Esperança, em Olinda, tiveram a oportunidade de voarDez crianças da escola Nova Esperança, em Olinda, tiveram a oportunidade de voar - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Passear entre as nuvens, ver a cidade se distanciar e assistir às enormes construções virarem miniaturas que parecem peças de brinquedos... Andar de avião é sinônimo de liberdade e descoberta, é ter o poder de observar a imensidão da cidade a partir de uma nova perspectiva. Para quem sempre viaja longas distâncias, as aeronaves já são familiares e viraram parte da rotina. Parte da população que não teve acesso a essa oportunidade ainda cultiva o sonho de deixar as estradas em terra firme de lado por um dia e se aventurar nas alturas. Com isso em mente, a direção da Escola de Aviação do Aeroclube de Pernambuco tornou possível a experiência de voo, na manhã desta quarta-feira (9), para dez alunos entre quatro e seis anos da Escola Nova Esperança, localizada no bairro de Rio Doce, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife (RMR). 

A experiência dos alunos da Escola Nova Esperança foi em uma aeronave executiva, com capacidade para sete passageiros, que partiu do Aeroclube, na Coroa do Avião, em Igarassu, na RMR, para onde voltou após sobrevoar parte do litoral Norte. No interior reduzido do Piper Seneca II, a apreensão inicial das crianças deu lugar à curiosidade e abriu espaço para que as descobertas desabrochem. Aquiles, de 5 anos, sonha em ser astronauta e olhava com timidez e cuidado o mar e as nuvens. “Tá muito legal a vista aqui de cima!”, exclamou. Edson, também de 5 anos, ficou feliz por poder ver de longe a escola onde estuda e outros locais da cidade. "Foi muito bom. Eu vi a praia, eu vi o aeroporto, eu vi a nossa escola e vi a nossa terra", contou animado. Ao todo, foram três voos com duração média de vinte minutos passando por Igarassu, Olinda e Paulista..

Atendendo aproximadamente 50 alunos, a escola é fruto de uma iniciativa solidária que nasceu do desejo de ajudar o próximo. Em 1984, o catador de materiais recicláveis Sebastião Pereira, de 64 anos, recolheu doações e reuniu o pouco de renda que possuía para fundar a ação social no bairro que, na época, carecia de educação básica. Nesta manhã, Seu Sebastião - como é conhecido na comunidade - observava com encanto cada vez que o avião decolava com os alunos. Para ele, a iniciativa do Aeroclube representou visibilidade e mostrou à sociedade que todos podem ajudar de alguma forma. "É bom ver que estão olhando a minha comunidade, estão reconhecendo que a gente pode resolver algumas coisas, o que vale é querer ajudar", comentou.

O responsável por proporcionar a experiência do voo aos alunos foi o piloto e diretor de Operações Fabiano Freitas. Com quase 20 anos de experiência como piloto, ele disse que o Aeroclube, localizado na Coroa do Avião, em Igarassu, na Região Metropolitana do Recife, tem compromisso com a população. "O aeroclube é uma instituição sem fins lucrativos, é uma instituição de educação”, explicou. O profissional informou ainda que existem planos para futuras novas iniciativas sociais. "Mais ações vão vir, pretendemos formar completamente uma pessoa de escola pública", completou.

Veja também

Sonda conclui a primeira coleta de amostra em um asteroide feita pela Nasa

Sonda conclui a primeira coleta da Nasa de amostra em asteroide

Ministério da Saúde inicia 15ª missão para atender indígenas com Covid-19
Coronavírus

Ministério da Saúde inicia 15ª missão para atender indígenas com Covid-19