Crise do coronavírus pode gerar fome em proporções bíblicas, diz diretor da ONU

David Beasley disse que, atualmente, 821 milhões de pessoas ao redor do mundo vão dormir com fome diariamente

FomeFome - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

David Beasley, diretor do WFP (Programa Mundial de Alimentos da ONU), alertou nesta terça-feira (21) que a crise econômica gerada pelo novo coronavírus pode levar mais dezenas de milhões de pessoas a passar fome.

"Se não nos prepararmos e agirmos agora, para garantir acesso a alimentos, evitar a falta de recursos e a ruptura no comércio, nós poderemos encarar múltiplas crises de fome de proporções bíblicas em poucos meses", alertou, em discurso ao Conselho de Segurança da ONU.

Leia também:
Mundo tem mais de 2,5 milhões de casos confirmados de Covid-19
Novo coronavírus permanece no corpo por cerca de 21 dias nos casos graves, diz estudo
Alemanha iniciará testes clínicos de vacina contra coronavírus

Beasley disse que, atualmente, 821 milhões de pessoas ao redor do mundo vão dormir com fome diariamente, pois vivem com a falta de alimentos de forma crônica, e outras 135 milhões estão à beira de ficar completamente sem comida, tendo alimentos em alguns dias e em outros não.

Segundo um estudo feito pelo WFP, mais 130 milhões de pessoas correm risco de passar fome devido à crise econômica gerada pelo novo coronavírus.

A paralisação do comércio e do turismo, a recessão econômica e a crise no preço do petróleo retirarão dinheiro dos mais pobres. Com isso, eles não poderão comprar comida, disse Beasley. Ele estima que, no pior cenário, mais de 30 países poderão ser duramente afetados, como Haiti, Nepal e Somália.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Hyundai e Petz fazem parceria para incentivar adoção responsável de animais
Folha Pet

Hyundai e Petz fazem parceria para incentivar adoção responsável de animais

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020