energia

Crise hídrica tira até maria-fumaça de circulação no interior de São Paulo

Para funcionar, a maria-fumaça precisa de uma caldeira, que produz o vapor usando o combustível (carvão ou lenha e água), transformando a energia em atividade mecânica

ferroviaferrovia - Foto: Ministério da Infraestrutura

Leia também

• Crise hídrica: outubro e novembro serão críticos, mas ONS descarta racionamento este ano

• Uso de energia térmica, mais cara e suja, vai pesar no seu bolso até 2025

• Setor de energia elétrica vai cobrar agilidade do governo Bolsonaro

• Crise de energia na China já afeta produção de Apple, Tesla e Toyota

Não está fácil para ninguém mesmo a escassez hídrica que atinge fortemente o interior de São Paulo. Tanto que até mesmo a maria-fumaça utilizada na rota entre Campinas e Jaguariúna deixará de ser utilizada na seca.

De acordo com a ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária), devido ao agravamento da crise hídrica e ao risco de incêndios nas propriedades às margens da ferrovia, foi decidido que as locomotivas a vapor não serão utilizadas na rota de 24 quilômetros entre as duas cidades.

A maior parte do trecho corta propriedades rurais, algumas históricas, cuja vegetação está totalmente seca devido à estiagem prolongada.

"Este ano a estiagem está pior ainda do que em anos anteriores e está tudo muito seco. O capim às margens da linha está amarelinho, qualquer coisa que cair ali provoca incêndio", disse Hélio Gazetta Filho, diretor administrativo da ABPF.

Para funcionar, a maria-fumaça precisa de uma caldeira, que produz o vapor usando o combustível (carvão ou lenha e água), transformando a energia em atividade mecânica. Por viagem entre as duas cidades, são gastos de 8.000 a 10 mil litros de água.

Como a maria-fumaça é um dos principais atrativos do roteiro turístico, porém, ela permanecerá na estação de Anhumas, em Campinas, para visitação dos turistas, nos horários do passeio de trem.
A tradicional demonstração do funcionamento do trem a vapor, feita antes do início das viagens, também está mantida.

Com isso, apenas locomotivas diesel elétricas serão utilizadas pela associação, até que o cenário climático permita o retorno das chamadas "mafus" aos trilhos.

Fabricadas na década de 50, as locomotivas diesel elétricas em uso pertenceram às extintas companhias ferroviárias Mogiana e Paulista.

Segundo o diretor da associação, caso chova em volume significativo, a maria-fumaça até poderá ser utilizada neste final de semana, mas por enquanto a paralisação é por tempo indeterminado.

Maria-fumaça Campinas-Jaguariúna

Trecho: estação Anhumas à estação Jaguariúna, passando por outras três no trecho
Rota: 48 km (ida e volta)
Duração: 3h30 (completo, ida e volta) e 2h (meio percurso)
Preços: R$ 90 (meia-entrada ou ingresso solidário) no percurso completo e R$ 70 (meia ou ingresso solidário) no meio percurso
Atrações: demonstração da operação do trem, música e antigas fazendas

Veja também

Após debandada, presidente da Capes faz apelo para que coordenadores permaneçamBRASIL

Após debandada, presidente da Capes faz apelo para que coordenadores permaneçam

Recife promove primeiro encontro com outras capitais para decidir sobre o CarnavalCarnaval

Recife promove primeiro encontro com outras capitais para decidir sobre o Carnaval