Crise leva 4,1 milhões à pobreza [NÃO LIBERAR]

Percentual de pessoas pobres cresceu 22% no Brasil em 2015, ano de retração econômica, de acordo com estudo publicado pelo Ipea

São consideradas pobres as pessoas com renda inferior a um quarto do salário mínimoSão consideradas pobres as pessoas com renda inferior a um quarto do salário mínimo - Foto: Nathália Bormann/arquivo folha

Em 2015, o Brasil viu o número de pessoas na pobreza crescer 22%, de acordo com um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Fundação João Pinheiro. Enquanto em 2014 o percentual de pobres estava no menor da história, 8,1% da população, no ano seguinte, chegou a 9,96%. Significa que a redução da renda levou 4,1 milhões de pessoas para a pobreza e, destes, 1,4 milhão para a extrema pobreza. Naquele ano, o Produto Interno Bruto (PIB) nacional registrou queda de 3,8 - a maior em 25 anos.

Vale lembrar que pobres são aqueles cuja renda domiciliar é inferior a ¼ do salário mínimo (na época, R$ 510; logo, R$ 127,5). Importante ressaltar ainda que a renda per capita em 2015 caiu, em relação a 2014, de R$ 803,36 para R$ 746,84. Já os extremamente pobres são aqueles indivíduos cuja renda domiciliar per capita é de até R$ 70, nas considerações do Ipea, e cresceram de 3,01% para 3,63% da população. O mesmo movimento, de aumento dessa parcela, já havia sido detectado em 2013.

Leia também
Especial: Um país marcado pela fome
Crise econômica agrava situação de quem passa fome; saiba como ajudar


Os dados mostram um retrocesso no combate à pobreza no País, visto que entre os anos de 2000 e 2010, o percentual de pobres havia passado de 27,9% para 15,2% do total de brasileiros. E a crise econômica teve reflexo na renda, porque entre 2014 e 2015, a renda média dos pobres caiu de R$ 154 para R$ 150.

Segundo o pesquisador do Ipea Marco Aurélio Costa, os números já eram esperados por causa do desemprego. O Radar IDHM é um levantamento que atualiza o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, produzido a cada dez anos, com base nas publicações dos censos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Ainda sem números
“Tudo o que a gente tem para monitorar é a renda, se a pobreza está aumentando ou diminuindo. Ainda não temos dados recentes, mas é muito provável que a gente esteja assistindo um agravamento da pobreza e da desigualdade de renda”, disse o professor da UFPE e doutor em Economia, Raul Silveira Neto, à reportagem do Portal FolhaPE no Especial Fome publicado no último fim de semana.

Uma casa em Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife, mostra o que os dados ainda não atualizaram: a queda da renda fez a fome crescer com força. Lá, um homem vive com seis filhos menores de idade e nem todos estão na escola, então o subsídio do Bolsa Família não contempla como poderia.

 De cabelos loiros e desgrenhados, Bianca tem apenas seis anos e vive, com os irmãos, a escassez de alimentos. Sentada na frente de casa, ela corta salsichas dentro de uma panela. Ao lado, um gato assiste à cena de perto, quase com a cabeça dentro do recipiente. A irmã mais velha, Deise, 19, diz que aquele é o almoço daquele dia, com cuscuz.

Beatriz, 12, se aproxima. É ela que está fora da escola “porque não tem vaga”. É rechonchuda, tem bochechas tão redondas que deixam sua boca pequena. A pele é oleosa e cheia de erupções. Mesmo que se tente encaixá-la no velho estereótipo de que criança “gordinha” é criança saudável, está na cara que ela tem problemas de saúde. A pele não tem viço, apesar da pouca idade; a obesidade é explícita. E obesidade, na maioria dos casos, é indício de fome.

Veja também

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V
Covid-19

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V