Vida Plena

Cuidado com o uso de isotônicos no verão

O calor da estação e o gasto de energia durante a prática de atividades físicas aumentam a necessidade de hidratação

Cuidado na hora de consumir isotônicosCuidado na hora de consumir isotônicos - Foto: Divulgação

Durante o verão, é bastante comum que as pessoas pratiquem esportes e atividades físicas a fim de manterem o corpo em dia para aproveitar a estação. A junção do calor, típico da época, e do gasto de energia durante a realização dos exercícios aumenta a necessidade de hidratação. Uma alternativa para repor tudo o que é perdido durante a prática são os isotônicos. Com sabores diversos e encontrados com facilidade, o consumo desses produtos tem se tornado mais comum ao longo dos anos.

De acordo com levantamento realizado em 2018 pela Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas Não Alcoólicas (ABIR), o mercado brasileiro é responsável por consumir mais de 106 milhões de litros de isotônicos por ano. Em 2010, o consumo estava na marca de 97.137 milhões de litros. O jornalista Robson Santos, 25, fazia muito uso de isotônicos, em praticamente todas as atividades físicas que realizava. “Quando saía da academia, quando corria e quando jogava bola nos fins de semana. Sempre após todas as atividades, eu bebia uma garrafinha”, disse.

(PODCAST) Canal Saúde - Vitaminas e isotônicos em excesso pode prejudicar

Folha de Pernambuco · 22.12.20 - Canal Saúde - Vitaminas e isotônicos em excesso pode prejudicar

A personal trainer Juliana Nobre explica que o uso de isotônicos deve ser feito durante a prática de exercícios físicos intensos, principalmente no dias de calor, quando a quantidade de transpiração é maior e, como consequência, ocorre uma maior desidratação e perda de sais minerais e eletrólitos do organismo. “Os isotônicos ajudam a repor esses componentes, já que eles têm a composição parecida com a dos fluidos do nosso corpo, como água, sais minerais, vitaminas e carboidratos. Eles também são úteis na reposição de energia do atleta, evitando a fadiga muscular”, esclareceu Juliana.

Para o consumo adequado, Nobre recomenda que esse uso seja feito seguindo a orientação de um profissional responsável pela alimentação. “Além da quantidade necessária para o seu organismo, esse especialista vai saber se a pessoa realmente necessita desse tipo de reposição”, complementou a personal. O nutrólogo Diego Pascaretta  indica que o uso de isotônicos seja feito de forma associada com uma boa alimentação e com uma hidratação à base de água. “É fundamental que o consumo de isotônicos não anule a ingestão de água, porque mantém a hidratação do corpo em dia, mas não garante a reposição de energia e de íons que são perdidos durante a prática de atividade física”, disse o médico especialista em nutrologia.

Na hora de escolher o melhor isotônico, Casparetta dá algumas dicas. “São muitos tipos disponíveis no mercado, mas é importante olhar a quantidade de calorias de cada um, quantidade de sódio, e sempre optar pelos menos coloridos, porque têm menos corantes. Os mais clarinhos são os melhores”, indicou Diego.

Para quem busca uma opção menos industrializada, uma alternativa bacana e barata é a água de côco. “Dos isotônicos naturais, a água de côco é o melhor deles. Além da energia, ela repõe magnésio, potássio, sódio e tem muito menos açúcar, consequentemente menos calorias do que as bebidas industrializadas. A água de côco também é livremente indicada para quem não é atleta de alto rendimento, mas que deseja simplesmente sair do sedentarismo”, finalizou Juliana Nobre.

#vidaplenajaymedafonte

Veja também

Brasil registra 2.616 óbitos por Covid-19 em 24h e total de mortes já ultrapassa 350 mil
Coronavírus

Brasil registra 2.616 óbitos por Covid-19 em 24h e total de mortes já ultrapassa 350 mil

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho
Henry Borel

'Se casal deu qualquer informação falsa pra mim, não fico na causa', diz advogado de Dr. Jairinho