Curso ensina mulheres a fazer reparos domésticos

Proposta é repassar noções básicas para que alunas consigam fazer os pequenos consertos mais comuns de uma casa

Oficina de Jaque Pinheiro ensina mulheres a fazer reparos domésticosOficina de Jaque Pinheiro ensina mulheres a fazer reparos domésticos - Foto: Brenda Alcântara / Folha de Pernambuco

Mulher tem medo de usar furadeira? Não sabe diferenciar um alicate de uma chave de fenda? Não consegue sequer trocar uma lâmpada? Um curso voltado só para mulheres pretende capacitá-las a fazer uma série de reparos básicos e, de quebra, questionar esse estereótipo de que o universo feminino é restrito a determinado tipo de atividade.

Quem está à frente das aulas é a empresária Jaqueline Pinheiro, de 34 anos. Cineasta de formação e ativista do feminismo e da causa LGBT+, ela também é uma das proprietárias da doceria erótica La Dolceta, onde o curso vai acontecer, nos próximos dias 10 e 17 de março. As inscrições, porém, encerram na terça (6).

Jaqueline é conhecida como “Jaque Conserta”, porque há um ano oferece serviços como pedreira, encanadora, marceneira e eletricista para um público exclusivamente feminino. “Faço essa restrição por uma questão de segurança, tanto minha como das minhas clientes, e também por posicionamento político. A mulher que me contrata é minha interlocutora e é ela quem acompanha a execução do trabalho”, explica.



Com a demanda por seus serviços crescendo, muitas vezes para resolver problemas extremamente simples, Jaque teve a ideia de criar o curso, que custa R$ 80. Serão quatro turmas de apenas cinco participantes, para poder realmente dar atenção a todas as presentes. Ao longo de quatro horas, ela vai ensinar a trocar sifão de pia, instalar bocais elétricos, trocar resistência de chuveiro, trocar tomada e interruptor, e manusear furadeira (com dicas sobre as diferentes brocas, buchas e superfícies). Jaque garante que, além de ser divertido e gerar economia nos futuros reparos caseiros, o curso vai ampliar a autonomia de quem participar.

Leia também:
Você sabe qual é a diferença entre feminismo e femismo?
Ciberfeministas se organizam para incentivar mulheres na carreira de TI


A cirurgiã-dentista Patricia Sampaio, de 43 anos, é uma das mulheres que já se inscreveram. Ela está ansiosa principalmente pelas dicas de instalação elétrica. “Eu sou enxerida e já faço muita coisa em casa, na doidice. Mas quero melhorar minha base técnica, para chegar a um resultado mais profissional”, destaca.

Patricia confessa que já chegou a instalar um chuveiro elétrico por conta própria, mas a tentativa não deu certo. “Fazer esse tipo de reparo para mim é uma necessidade, porque moro sozinha com minhas duas crianças. Além de representar uma economia a longo prazo, eu confesso que quando preciso desse tipo de serviço não me sinto segura de receber homens desconhecidos em casa. Eles não levam o que a gente fala em consideração, e também tenho medo de violência. Então, é algo meio tenso. Prefiro só chamar conhecidos ou tentar resolver o problema eu mesma”, relata. 

A dentista afirma que a proposta do curso a atraiu de imediato e deve cativar muita gente. “Toda mulher precisa saber que é capaz, que possui autonomia para resolver qualquer necessidade que tenha”, conclui.

Serviço
Oficina Jaque Conserta de  Manutenção Doméstica Básica
Rua Mamede Simões, 115 loja 11 (no espaço La Dolceta)
Investimento: R$ 80
Turma 1 -  sábado,10 de março, das 9h às 12h
Turma 2- sábado, 10 de março, das 13h às 17h
Turma 3- sábado, 17 de março, das 9h às 12h
Turma 4- sábado, 17 de março, das 13h às 17h

Mais informações pelo whatsapp (81) 996521091  ou via Facebook 

Veja também

Fernando de Noronha volta a registrar transmissão comunitária de Covid-19
Coronavírus

Fernando de Noronha volta a registrar transmissão comunitária de Covid-19

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco
Folha de Pernambuco

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco