Da cidade luz para o Carnaval do Rio de Janeiro

O passo do afrovibe da francesa Maryam vai brilhar no sambódromo. Ela será a bailarina da Comissão de Frente da Vila Isabel

Francesa no sambódromoFrancesa no sambódromo - Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP

 

“É a aventura mais louca da minha vida”. É assim que a francesa Maryam Kaba descreve sua experiência no Sambódromo, dançando em cima de um carro alegórico durante um ensaio técnico do principal desfile do Carnaval do Rio. Sua amiga, a também francesa Anne Cécillon, corre nos bastidores para colar - um a um - o strass de sua fantasia.
Anne e Maryam estão no Brasil há cinco e três anos, respectivamente, e vivem uma experiência excepcional. Embora vários estrangeiros vão desfilar no domingo e segunda de Carnaval, comprando fantasias para apoiar as escolas de samba, poucos são os que se dedicam de corpo e alma a esse projeto.
Maryam, de 38, integra a Comissão de Frente da Vila Isabel e é a única mulher, desfilando ao lado de 14 homens - todos com corpos esculturais, inclusive ela.
“O coreógrafo me alertou. Ele me disse: ‘você é a primeira na avenida, você carrega toda a escola nas costas’. Se a Comissão de Frente for mal, toda a escola vai mal”, conta ela, encharcada de suor depois de mais um dos vários ensaios que terminou depois das três da manhã.
Da Afrovibe ao samba
“Não era realmente um sonho desfilar no Carnaval do Rio. Nunca pensei em fazer isso. Era uma coisa superdistante para mim. Eu dizia para mim mesma: precisa ser brasileiro para realmente amar o Carnaval, precisa ter isso no sangue”, confessa a jovem francesa, que foi descoberta no Facebook.
“Deus a colocou diante dos meus olhos. Eu procurava uma grande mulher e a encontrei. É a francesa mais brasileira que eu já vi. Ela tem um sangue extraordinário”, emociona-se o coreógrafo Patrick Carvalho.
Maryam chamou a atenção de Patrick, graças ao Afrovibe, uma nova modalidade, que ela criou com uma amiga e que mistura fitness e dança africana.
Além do desafio artístico, essa ex-atleta de ginástica rítmica orgulhosa de seu penteado afro se sentiu atraída pelo tema escolhido pela escola: “o som da cor”, sobre a influência dos negros na música.
“Nosso grupo representa os escravos, mas somos os primeiros a entrar. No Brasil, há graves problemas de desigualdade racial, então, o que a gente representa no Carnaval é superforte”, comenta a filha de um marfinense e mãe francesa.
‘Com amor’
Já Anne Cécillon, bailaria por formação, não estará sob a luz dos holofotes no Sambódromo. Recém-chegada do México, onde tinha uma companhia de cabaré, ela sempre se interessou pelas fantasias. No Rio, dedicou-se a estudar moda especializada em Carnaval e começou a bater nas portas dos barracões das escolas.
Depois de muito insistir, essa loira de 46 anos conseguiu fazer parte - como voluntária - de um ateliê da Grande Rio. E não foi qualquer oficina, e sim a de “fantasias especiais”, destinadas, principalmente, às musas da escola que saem como destaque nos carros alegóricos.
“Como isso passa na televisão, com closes, é preciso ter atenção com cada detalhe. Cada fantasia é feita a mão, com amor”, afirma, enquanto mergulha a mão avidamente em um grande saco de strass.
“Vai ser maravilhoso. Para mim, é realmente um sonho. Vou ficar muito emocionada, acho que vou até chorar”, admite.

 

Veja também

Aos 81 anos, Mãe Celeste morre vítima da Covid-19 no Recife
Luto

Aos 81 anos, Mãe Celeste morre vítima da Covid-19 no Recife

Em pacote de medidas sobre o clima, Biden mira indústria de gás e petróleo
EUA

Em pacote de medidas sobre o clima, Biden mira indústria de gás e petróleo