Coronavírus

Butantan garante que dados para registro da Coronavac no Brasil foram entregues à Anvisa em 2020

Contrato emergencial para aquisição do imunizante acabou no mês de setembro e a Anvisa ainda não concedeu o registro definitivo

Vacina CoronaVacVacina CoronaVac - Foto: Prefeitura de Igarassu

A vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, não está mais registrada para uso no Brasil. Acontece que o registro dado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a vacina foi emergencial e acabou no mês passado. De acordo com o Butantan, o órgão sanitário brasileiro recebeu, no dia 20 de novembro de 2020, a primeira parte dos dados de imunogenicidade da CoronaVac, documentação necessária para oficializar o pedido de registro definitivo da vacina. 

Em janeiro, o governo federal assinou contrato com o Instituto Butantan para aquisição de 100 milhões de doses da CoronaVac, que foi finalizado no mês de setembro.  Atualmente, apenas duas vacinas contam com registro definitivo no País: a Pfizer/BioNTech e a Oxford/AstraZeneca. 


O Butantan informou que a partir do momento da entrega do pedido de registro definitivo, uma série de discussões foram iniciadas com a Anvisa, o que fez com que houvesse esse atraso nos resultados dos testes de imunogenicidade. "Se houvesse tido consenso nos métodos propostos pelo instituto, o processo já estaria concluído e o registro definitivo da CoronaVac já teria sido concedido", informou, por meio de nota, o instituto. 

Em declaração dada na terça-feira (5), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que depende da Anvisa. "Uma vez a Anvisa concedendo o registro definitivo, o Ministério da Saúde considera essa ou qualquer outra vacina para fazer parte do PNI", disse. 

Para agilizar o processo de registro, o Butantan fechou um acordo com a Sinovac para que as análises complementares de imunogenicidade sejam realizadas em parceria com o laboratório. As amostras já foram enviadas para análise no padrão requerido pela Anvisa. 
 

Veja também

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono
Política

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava
Bonobos

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava

Newsletter