Notícias

Decisão do MPPE agrada a praticantes de vaquejada

Nota técnica revogou decisão em que afirma que TACs não eram mais mecanismos que asseguravam a continuidade das vaquejadas no Estado

Confira a lista atualizada dos principais editais abertos de concursos e seleções Confira a lista atualizada dos principais editais abertos de concursos e seleções  - Foto: Arte FolhaPE

O Ministério Público de Pernambuco reemitiu nota técnica revogando decisão emitida anteriormente, em que afirma que os Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) não eram mais mecanismos que asseguravam a continuidade das vaquejadas no Estado. Os termos, firmados entre o MPPE e a Associação Brasileira de Vaquejada (Abvaq), trazem série de orientações aos promotores de Justiça com atuação na defesa do meio ambiente a fim de guiá-los no trabalho voltado ao esporte, de forma que garantam o bem-estar dos animais.

A decisão se deu após o Supremo Tribunal Federal esclarecer recentemente que a inconstucionalidade se refere à Lei do Ceará e não diretamente à modalidade, ou seja, que “não é cabível, até o presente momento, extrair conclusão no sentido da proibição de sua prática em todo o território nacional”, conforme a nota publicada no Diário Oficial do Estado pelo Caop Meio Ambiente do MPPE.

“Claro que ainda cabe recurso, mas o STF afirmou que nada ainda pode ser conclusivo até sair o acórdão. Até lá permanecem os TACs, já que Pernambuco não tem lei específica em relação à vaquejada. A reemissão dessa nota técnica ratifica a primeira decisão para dar uma maior segurança jurídica às associações de vaquejada”, justifica o coordenador do Caop Meio Ambiente, o promotor André Felipe Menezes.

Por 6 votos a 5, o STF determinou, em 6 de outubro passado, a proibição do esporte no Ceará por entender que havia maus-tratos. Pela votação acirrada, Mezenes acredita que, embora a decisão seja da Suprema Corte, caberá recurso.

Para Sílvio Valença, membro da diretoria da Abvaq, a retomada da decisão inicial reflete que há um entendimento de que as vaquejadas promovidas no Estado por meio de celebração de TACs entre o MPPE e a associação obedecem os parâmetros legais. “Cabe a nós esperarmos a publicação do acórdão para saber se vai haver uma proibição geral ou não. Mas, só em o Caop ter esse entendimento de que, para o momento, cabe permanecer fazendo o que já era feito antes, dá uma maior tranquilidade”, avalia.

Veja também

Um morto e 29 feridos em explosão de fábrica de pólvora perto de Bogotá
COLÔMBIA

Um morto e 29 feridos em explosão de fábrica de pólvora perto de Bogotá

Argentina considera ''equivocada'' decisão do TPI de ordenar prisão de Netanyahu
POSICIONAMENTO

Argentina considera ''equivocada'' decisão do TPI de ordenar prisão de Netanyahu

Newsletter