Caso Beatriz

Defesa divulga carta em que suspeito de matar Beatriz se diz inocente e pressionado a confessar

Mensagem foi divulgada na noite desta terça-feira (18). SDS diz que inquérito está sendo realizado "dentro de todos os parâmetros legais, com zelo e lisura".

Carta teria sido escrita por acusado de matar Beatriz, Marcelo da SilvaCarta teria sido escrita por acusado de matar Beatriz, Marcelo da Silva - Foto: Divulgação

Depois que a defesa de Marcelo da Silva, o suspeito de matar a facadas Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, divulgou, nesta terça-feira (18), uma carta em que ele muda a própria versão e se diz inocente, alegando ter confessado o crime sob pressão, a Secretaria de Defesa Social (SDS) negou qualquer irregularidade no inquérito.

Por meio de nota, a pasta disse que a polícia filmou o depoimento do acusado e ressaltou que a identificação dele se deu após comparação de DNA, “uma prova técnico-científica”.

No texto, a secretaria afirmou que a investigação ocorre “dentro de todos os parâmetros legais, com zelo e lisura”.

“O indiciamento do suspeito do crime foi realizado após a identificação positiva através de comparação de DNA. Essa é uma prova técnico-científica, que foi ratificada pela confissão do preso que se coaduna com as demais provas existentes no inquérito policial e é compatível com a dinâmica dos fatos e toda a linha de tempo descoberta durante a investigação. Importante ressaltar que a Polícia Civil filmou o depoimento na íntegra, seguindo todas as regras legais, a fim de evitar quaisquer questionamentos, tentativas de macular a confissão ou estratégias projetadas para tumultuar o caso”, informou.

Por fim, o órgão acrescenta que o caso segue sob sigilo e que dá continuidade às diligências solicitadas pelo Ministério Público do Estado.

O advogado Rafael Nunes, que se apresentou como novo representante de Marcelo, divulgou a carta em que o suspeito afirma que não matou a criança, assassinada a facadas em no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no Sertão do Estado, em 2015. “Eu sou inocente, eu não matei a criança, confessei na pressão. [...] Preciso de ajuda, estou com medo de morrer”, diz trecho da mensagem. "Quero falar com a mãe da criança. Quero a proteção da minha mãe".

Troca de defesa
Ainda ontem, a advogada anterior de Marcelo, Niedja Mônica da Silva, chegou a protocolar, na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE), contra Rafael Nunes por suposto roubo de cliente. No documento, a que a Folha de Pernambuco teve acesso, ela relata que foi ao presídio de Igarassu, onde Marcelo está preso, acompanhar o depoimento do acusado, quando foi abordada pelo colega de profissão, que, “grosseiramente”, lhe teria informado que estava assumindo o processo.

A reportagem entrou em contato com o advogado Rafael Nunes, que disse que vai se pronunciar em coletiva de imprensa amanhã. Sobre a representação por roubo de cliente, ele não se pronunciou até o fechamento da edição. Também procurada, Niedja Mônica da Silva disse que não iria se pronunciar. A OAB não deu retorno.

Veja também

Medicamento permite reduzir presença dos químicos eternos do sangue
tratamento

Medicamento permite reduzir presença dos químicos eternos do sangue

Irã impediu Nobel da Paz, Mohammadi, de comparecer ao funeral de seu pai, denuncia família
TEERÃ

Irã impediu Nobel da Paz, Mohammadi, de comparecer ao funeral de seu pai, denuncia família