Deltacron

Deltacron: nova variante em monitoramento não preocupa especialistas

Recentemente, cientistas descobriram mais uma variante da doença, a Deltacron - recombinação genética entre as cepas Delta e Ômicron - o que trouxe muitas dúvidas para a população

Coronavírus visto em microscópio eletrônicoCoronavírus visto em microscópio eletrônico - Foto: NIAID/NIH

Há dois anos a população mundial se adaptava à chegada de um novo coronavírus. Ao longo desse tempo, a Covid-19 sofreu transformações e variantes se desenvolveram, como a Gamma, Delta, Ômicron, Mu e Lambda. Recentemente, cientistas descobriram mais uma variante da doença, a Deltacron - recombinação genética entre as cepas Delta e Ômicron - o que trouxe muitas dúvidas para a população. No Brasil, dois casos estão sendo investigados como possíveis infecções pela variante, um no Pará e outro no Amapá.

Na terça-feira, em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, divulgou que os dois casos tinham sido confirmados, porém, mais tarde, voltou atrás e desmentiu a informação através da sua conta no Twitter. Na sexta-feira, o Ministério da Saúde afirmou que o possível caso de Deltacron em Santana, no Amapá é, na realidade, uma coinfecção das variantes Delta e Ômicron. A outra infecção, desta vez em Afuá, no Pará, continua em análise. 

O Ministro da Saúde também reforçou que não há motivos para preocupação. “A OMS (Organização Mundial de Saúde) classificou a Deltacron apenas como variante para monitoramento (Vum) e não a considerou como variante de interesse ou preocupação, como foi o caso da Ômicron e da Delta, por exemplo”, acrescentou.

Em Pernambuco, nenhum caso da variante foi identificado. De acordo com o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, o novo vírus não parece ser algo alarmante.

“As informações até agora sobre essa variante é que poucos casos foram detectados, está sendo considerada uma variante rara. Ela é um híbrido entre a Ômicron e a Delta, por isso que tem esse nome Deltacron. Ela foi encontrada, mas ainda não é apontada como uma preocupação”, pontuou.

O gestor da pasta afirma que a preocupação maior gira em torno da movimentação da BA.2 - sub variante da Ômicron - em países da Europa

“A gente tem circulando em Pernambuco a BA.1, não detectamos ainda a B.A2, mas ela já foi detectada em alguns lugares do Brasil. Até agora ela não gerou maiores problemas para o sistema de saúde, mas nós estamos acompanhando essa possibilidade de ela trazer alguma repercussão”, disse Longo. 

Surgimento da variante

Em janeiro de 2022, os primeiros casos da Deltacron foram detectados na França. Desde então, poucas confirmações para a variante foram notificadas ao redor do mundo. Países da Europa como França, Dinamarca, Alemanha, Holanda e Bélgica afirmaram ter casos positivos, de acordo com o site Gisaid, um banco de dados internacional de genomas de coronavírus.

Além dos casos presentes na Europa, a empresa de sequenciamento genético Helix encontrou confirmações, também, nos Estados Unidos.

Segundo a diretora técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS) e médica infectologista, Maria Van Kerkhove, a entidade está ciente e realiza o monitoramento da Deltacron.

“Estamos cientes disso, é uma combinação das variantes Delta e Ômicron. Isso era algo esperado dado que há uma intensa circulação dessas variantes”, afirmou durante coletiva de imprensa da OMS.

Segundo a infectologista, a recombinação do vírus pode ter sido ocasionada devido à expressiva circulação da variante Delta em países da Europa quando surgiu a Ômicron.

Mas, afinal, o que é a Deltacron?

O nome Deltacron ainda é utilizado informalmente para se referir à variante. A nomenclatura não é adotada oficialmente pelas instituições de saúde. Nos estudos e nas publicações especializadas a designação utilizada para essa nova linhagem é AY.4/BA.1.

De acordo com o médico infectologista e mestrando em Saúde Pública pela Fiocruz, Bruno Ishigami, a variante é uma recombinação da Ômicron e Delta.

“Essa variante Deltacron, que foi isolada aqui no Brasil e já tinha sido isolada na Europa, é tipo uma mistura. Alguns vírus fazem isso, trocam partículas de uma variante para outra, de um vírus para outro, isso evolutivamente já acontece. É como se fossem partes do vírus da variante Delta com partes da Ômicron. A variante Deltacron é a recombinação de dois vírus e não a contaminação ao mesmo tempo pelas duas variantes. É um mesmo vírus.”, destacou o infectologista. 

Segundo o médico infectologista da Infectovita e Interne Soluções em Saúde, Raphael dos Anjos, a variante é uma progressão da evolução do próprio coronavírus e uma adaptação ao meio ambiente.

“Esse vírus tem mutações que vão acontecendo e modificando a estrutura do vírus. Isso é uma forma de adaptação ao meio ambiente. Até então os casos são de uma doença mais leve, menos fatal, menos grave, mas que pode se perpetuar mais facilmente. A nossa preocupação é a perpetuação dessa variante, mas é geralmente uma doença mais branda”, afirmou o infectologista.

Para o pesquisador do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (Lika) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e do Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco da Universidade Rural de Pernambuco (URFPE), Jones Albuquerque, a Deltacron é mais similar com a Ômicron do que com a Delta quando se trata da parte protéica (spike) utilizada nas vacinas.

“Espera-se que se comporte como a Ômicron, tanto em transmissibilidade quanto na capacidade de evadir (escapar) da imunização provocadas pelas vacinas atuais e por tratamentos com anticorpos”, destacou. Ele ressalta que a terceira dose da vacina contra a Covid-19 é fundamental para a efetivação da imunização da população e no enfrentamento às novas variantes.

Agravamento da pandemia?

Apesar de ser a recombinação de duas variantes, a Deltacron não preocupa os especialistas e as autoridades em meio às pesquisas iniciais. A transmissibilidade da doença é que vai determinar se o vírus é, de fato, perigoso ou não. Para o infectologista Bruno Ishigami, o surgimento da variante não representa um agravamento na pandemia.

“A variante não necessariamente representa um risco maior. Temos que observar se ela vai ser mais transmissível que a Ômicron, porque o fato dela ser mais ou menos transmissível é que vai determinar se vai se espalhar de novo pelo mundo todo. Se ela for menos transmissível, a Ômicron vai ser prevalente e vamos ter alguns casos pontuais da variante Deltacron”, afirmou.

Por outro lado, o pesquisador Jones Albuquerque afirma que, preliminarmente, os riscos são comparados aos da variante Ômicron e podem ser altos. “Ainda é muito cedo para afirmar. Mas cabe alertar que os riscos são altos quando comparamos os efeitos a longo prazo mesmo em pessoas com “casos leves”. A Ômicron causou um efeito grande nas crianças, levando cinco vezes mais a faixa etária para os hospitais do que a Delta”, afirmou.

Sintomas e cuidados

Segundo os especialistas, com relação aos sintomas, as mudanças ainda não foram identificadas. Continuam os mesmos: nariz escorrendo, tosse, dor no corpo, dor de cabeça, febre e perda de paladar ou olfato, entre outros.

Para o pesquisador e os infectologistas, é primordial que a população continue com os mesmos cuidados vistos durante a pandemia, como higienização das mãos, utilização de máscara, o afastamento (caso tenha sintomas gripais), evitar aglomerações e ter o autocuidado, como uma alimentação saudável, a prática de esportes e tomar todas as vacinas necessárias.

Para ter uma proteção maior, é necessário também que a população esteja com a vacinação contra a Covid-19 em dia até a 3ª dose, que está disponível para grande parte da população. 

“O primordial é aumentar ao máximo a cobertura vacinal e fazer o resgate das que não tomaram a dose de reforço, para serem orientadas a tomar ou fazer medidas que cheguem aos usuários, como visita nas comunidades”, destacou Raphael dos Anjos.

Sobre a 4ª dose da vacina contra a Covid-19, que já está sendo aplicada nos imunossuprimidos brasileiros e, em determinados estados, também em idosos, o infectologista Raphael dos Anjos defende que, posteriormente, a vacina estará disponível para toda a população e será um reforço para as variantes que estão surgindo.  

“A 4ª dose a gente enxerga, e os estudos mostram, que vai ser praticamente para toda a população. Vai percorrer aquele mesmo caminho de todas as outras doses, atentar primeiro para as pessoas de risco, que podem desenvolver doenças graves e vai se espaçando e orientando a tomada para o restante da população”, pontuou. 

Ainda em fase inicial, as pesquisas a respeito da variante Deltacron estão revelando, aos poucos, se o novo vírus precisa de uma atenção maior das autoridades de saúde. Com casos ainda em observação no Brasil, resta esperar para saber se a variante já está em território brasileiro, continuar os cuidados rotineiros e completar o esquema vacinal, evitando, assim, casos mais graves da Covid-19.

Veja também

Mercado Público de Porto Alegre reabre com 53 lojas
rio grande do sul

Mercado Público de Porto Alegre reabre com 53 lojas

Com duas vaginas e sem ânus, mulher vive com condição genética ultrarrara

Com duas vaginas e sem ânus, mulher vive com condição genética ultrarrara

Newsletter