Deputada cria projeto para proibir 'coreografias obscenas' dentro das escolas

De acordo com o projeto de lei, apresentações de dança com conteúdo obsceno e vulgar devem ser proibidas dentro do ambiente escolar

Deputada Clarissa Tércio (PSC)Deputada Clarissa Tércio (PSC) - Foto: Reprodução/ Instagram

Um projeto de lei (PL) criado pela deputada Clarissa Tércio (PSC) pretende proibir apresentações de dança com conteúdo obsceno e vulgar dentro do ambiente escolar. A deputada, integrante da bancada evangélica da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), elaborou o projeto para as escolas estaduais de Pernambuco.

Em um vídeo divulgado na rede social, a parlamentar apresenta trechos de coreografias que, segundo ela, expõe os jovens a uma situação de vulnerabilidade e sexualização. “É inadmissível que o espaço escolar seja utilizado para coreografias obscenas e vulgares, tirando, assim, a inocência das nossas crianças e dos nossos adolescentes”, lamentou.

Dentre as danças exibidas no vídeo está o 'passinho', estilo de dança ligado ao ritmo bregafunk que estourou em todo o Estado desde início de 2019 e é bastante reproduzido entre os jovens nas comunidades.

Educador social há 21 anos, Marcio Pereira discorda da proposta. “É uma lei infundada. Uma maneira de tirar o direito de uma juventude que se expressa através da dança e representa os jovens, a cultura das comunidades”, contou.

Leia também:
Assembleia Legislativa de Pernambuco leva o Legislativo a Ipojuca
Alepe lança projeto para aproximar cidadão da vida parlamentar

No texto da proposta, a deputada justifica que “a erotização precoce de crianças e adolescentes é fator responsável diretamente pelo aumento da violação da dignidade sexual de mulheres e também dos casos de estupro de vulnerável”. A autora do projeto explica que são considerados pornográficos ou obscenos, coreografias que façam alusão á práticas sexuais ou de atos libidinosos.

A psicóloga Ideiza Barros concorda com o projeto de lei. “É necessário parar a estimulação de danças com conotação sexual, pois estimula precocemente as crianças e adolescentes. Mas, é esperado que as escolas transfiram esses movimentos de caráter obsceno para apresentações adequadas a faixa etária dos jovens", opina.

Na rede social da deputada as opiniões em relação à proposta estão divididas. O PL de número 494/2019 agora seguirá para as comissões da Casa.

Confira o vídeo publicado pela parlamentar:



Veja também

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia
rio de janeiro

Fachin determina que governo do Rio justifique operações policiais realizadas na pandemia

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio
agressão

Maria da Penha Virtual agiliza pedidos de medida protetiva no Rio