Desconhecido no Nordeste, Haddad inicia giro com aposta em 'vote 13'

O desafio do ex-prefeito de São Paulo (SP), dizem auxiliares mais próximos, é conquistar o espólio de Lula -que tem mais de 50% das preferências de voto em todos os estados nordestinos

Fernando Haddad (PT)Fernando Haddad (PT) - Foto: Henrique Boney / Wikimedia Commons

O porta-voz da mensagem ainda não é Fernando Haddad. O candidato a vice na chapa do ex-presidente Lula evita falar sobre transferência de votos de seu padrinho político, mas aliados já vocalizam, em seu primeiro périplo pelo Nordeste, que a ideia a partir de agora é "vote 13" -em referência ao número símbolo do PT.

Desconhecido no principal reduto petista, Haddad desembarcou nesta terça-feira (21) em Salvador com a missão de divulgar sua imagem em meio a um eleitorado ávido pela presença de Lula na disputa.

Preso em Curitiba, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-presidente lidera as pesquisas de intenção de voto, mas deve ser impedido de concorrer em outubro pela Lei da Ficha Limpa.

O desafio do ex-prefeito de São Paulo (SP), dizem auxiliares mais próximos, é conquistar o espólio de Lula -que tem mais de 50% das preferências de voto em todos os estados nordestinos-, fiando-se na ideia de que o ex-presidente é a representação de um projeto que Haddad poderá retomar.

"O voto de Lula não é só na pessoa física do Lula, é no que o Lula representa. Acredito que o 13 será vitorioso na eleição nacional. A ideia se consagra no 13", afirmou o governador da Bahia e candidato à reeleição, Rui Costa, durante entrevista a vários jornais nesta terça, ao lado de Haddad.

Leia também:
'Perseguição ao Lula é a mesma que matou Tiradentes', diz Haddad
Informação de que Lula tem fortuna em Luxemburgo não tem comprovação

Haddad, por sua vez, não fala publicamente como substituto oficial na chapa petista, mas ensaia o discurso de Lula como um projeto. "A candidatura do PT vai ter apoio no Nordeste pelo que fizemos pelo Nordeste. Lula já disse que não adianta prendê-lo porque ele é uma ideia, um projeto. E você não consegue aprisionar um projeto", declarou.

Candidato ao Senado pela Bahia, Jaques Wagner também reforçou a tese de que as pessoas "vão votar num projeto", mas afirmou que "não adianta querer vestir Haddad de Lula". "Dilma não era Lula. Não sei se é bom ser igual", declarou o ex-governador que declinou da missão de ser ungido plano B.

Dirigentes petistas -e o próprio ex-presidente- preferiam Jaques no posto de sucessor de Lula, caso o petista fosse declarado inelegível, inclusive pela semelhança -física e de traquejo político- entre ambos.

Haddad, por sua vez, negou que tenha pouca familiaridade com o Nordeste e disse que não está sendo apresentado à região agora.  Nesta terça, após reunião com candidatos a deputado do PT na Bahia e almoço com o governador e aliados, o ex-prefeito vai estrear em um compromisso a céu aberto, em uma caminhada na periferia de Salvador, de onde sai um dos principais blocos do carnaval baiano: o Ilê-Ayê.

Segundo Haddad, a "orientação geral", do Lula e da coordenação de sua campanha, é "colocar o bloco na rua" e explicar como o partido vai "resgatar o país e a soberania nacional". Questionado sobre a falta de habilidade de Haddad no contato direto com eleitores -o petista era criticado como prefeito por priorizar agendas fechadas-, Jaques disse que a caminhada em Salvador vai dar certo "porque na hora embola tudo".

Depois de Salvador, Haddad seguirá para Aracaju (SE), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB), Mossoró (RN) e São Luís (MA). Em seu primeiro giro pelo Nordeste, de terça a sábado, ele evitou passar por estados onde há conflitos entre aliados, como Pernambuco e Ceará.

Veja também

UE pede 'transparência' a empresas sobre atrasos de vacinas anticovid
Vacinas

UE pede 'transparência' a empresas sobre atrasos de vacinas anticovid

Perfil conciliatório de Biden pode atrasar resposta à pandemia de Covid
EUA

Perfil conciliatório de Biden pode atrasar resposta à pandemia de Covid